Gustavo Bezerra Do N. Costa & Outros (Orgs.) – Nietzsche E A Verdade

Traz pesquisas em torno do tema “verdade: aparência, erro, engano”, retomando o debate sobre pontos fundamentais da filosofia de Nietzsche.

Gustavo Bezerra Do N. Costa, Jéssyca Aragão De Freitas & Roger Klinsman Aguiar De Souza (Orgs.) – Nietzsche E A Verdade: Aparência, Erro, Engano

Com mais de quatro anos em atividade o Grupo de Estudos Nietzsche – GENi – busca fomentar pesquisas, estudos e a divulgação do pensamento de Friedrich W. Nietzsche, em âmbito regional e nacional, atuando nas linhas de ética, estética, epistemologia, filosofia da cultura, filosofia moderna e contemporânea.

Os colóquios organizados pelo GENi promovem diálogos entre pesquisadores locais e de outros estados, desenvolvendo investigações sobre as influências, recepções e desdobramentos da filosofia nietzscheana na contemporaneidade.

Através de atividades como conferências, minicursos e sessões de comunicações, visamos a integração de participantes em diferentes níveis de formação, com o objetivo de expandir e publicizar estudos e pesquisas acadêmicas produzidas em nossas universidades públicas, para todos os interessados e do modo mais abrangente possível.

Em sua segunda edição, o evento congregou pesquisas em torno do tema “verdade: aparência, erro, engano”, retomando o debate sobre um dos pontos fundamentais da filosofia de Nietzsche, qual seja, a crítica à noção de Verdade que alicerça a construção de sentido do pensamento metafísico, calcada em sua oposição irredutível à aparência (no plano ontológico), ao erro (no plano epistêmico) e ao engano (no plano moral).

A consecução de um novo método – o filosofar histórico-genealógico –, bem como o desenvolvimento de seus conceitos centrais – particularmente, a doutrina da vontade de poder [Wille zur Macht] –, permitem o descerrar de uma mirada que, muito longe de conduzir ao relativismo rasteiro que reverbera em noções como “pós-verdade” – e sentimos na pele o quanto tais noções podem ser perniciosas –, apresenta uma gradação de nuances na qual a verdade se mostra como um erro ou engano mais duradouro, mais bem sedimentado, cuja origem se perde no esquecimento.

Com maior ou menor aproximação e sob diferentes perspectivas, os textos aqui apresentados buscam salientar aspectos dessa temática, que compõe um dos fulcros do pensamento nietzscheano, cujo eco, mais de um século após sua morte, ainda soa com a força de um martelo.


Deixe uma resposta

Gustavo Bezerra Do N. Costa & Outros (Orgs.) – Nietzsche E A Verdade

Traz pesquisas em torno do tema “verdade: aparência, erro, engano”, retomando o debate sobre pontos fundamentais da filosofia de Nietzsche.

Gustavo Bezerra Do N. Costa, Jéssyca Aragão De Freitas & Roger Klinsman Aguiar De Souza (Orgs.) - Nietzsche E A Verdade: Aparência, Erro, Engano

Com mais de quatro anos em atividade o Grupo de Estudos Nietzsche – GENi - busca fomentar pesquisas, estudos e a divulgação do pensamento de Friedrich W. Nietzsche, em âmbito regional e nacional, atuando nas linhas de ética, estética, epistemologia, filosofia da cultura, filosofia moderna e contemporânea.

Os colóquios organizados pelo GENi promovem diálogos entre pesquisadores locais e de outros estados, desenvolvendo investigações sobre as influências, recepções e desdobramentos da filosofia nietzscheana na contemporaneidade.

Através de atividades como conferências, minicursos e sessões de comunicações, visamos a integração de participantes em diferentes níveis de formação, com o objetivo de expandir e publicizar estudos e pesquisas acadêmicas produzidas em nossas universidades públicas, para todos os interessados e do modo mais abrangente possível.

Em sua segunda edição, o evento congregou pesquisas em torno do tema “verdade: aparência, erro, engano”, retomando o debate sobre um dos pontos fundamentais da filosofia de Nietzsche, qual seja, a crítica à noção de Verdade que alicerça a construção de sentido do pensamento metafísico, calcada em sua oposição irredutível à aparência (no plano ontológico), ao erro (no plano epistêmico) e ao engano (no plano moral).

A consecução de um novo método – o filosofar histórico-genealógico –, bem como o desenvolvimento de seus conceitos centrais – particularmente, a doutrina da vontade de poder [Wille zur Macht] –, permitem o descerrar de uma mirada que, muito longe de conduzir ao relativismo rasteiro que reverbera em noções como “pós-verdade” – e sentimos na pele o quanto tais noções podem ser perniciosas –, apresenta uma gradação de nuances na qual a verdade se mostra como um erro ou engano mais duradouro, mais bem sedimentado, cuja origem se perde no esquecimento.

Com maior ou menor aproximação e sob diferentes perspectivas, os textos aqui apresentados buscam salientar aspectos dessa temática, que compõe um dos fulcros do pensamento nietzscheano, cujo eco, mais de um século após sua morte, ainda soa com a força de um martelo.


Deixe uma resposta


Desenvolvido pela Quanta Comunicação