Maurício Ayer (Org.) – Conhecimento E Cidadania: Tecnologia Social E Educação

Neste caderno, abordamos o tema da Tecnologia Social e Educação. Um dos maiores desafios que se colocam à nação brasileira é o de universalizar uma educação de qualidade, como política de Estado de ação permanente. Não se trata de construir prédios e chamá-los de “escolas”, mas sim de proporcionar espaços de ensino-aprendizagem em que tanto os educadores quanto os educandos sejam respeitados integralmente como seres humanos e que isto seja o alicerce de sua formação intelectual e de cidadania.
Para tanto, é imprescindível que a educação tenha como fundamento primeiro o diálogo.
Assim, o educador torna-se mestre: tratando ou educando como sujeito, conduzindo-o no processo em que vai buscar encontrar a si mesmo, desenvolver suas capacidades e potencialidades, descobrir seus interesses e olhar com clareza para a realidade em que vive e compreendê-la. Isso possibilitará que ele, educando, enxergue as suas dificuldades não como barreiras intransponíveis, mas como estímulos para a superação; e as suas necessidades como alimento para a transformação de si e do mundo.
É no respeito e na formação humana de seus cidadãos, na sua autonomia de sujeitos pensantes, críticos, solidários e livres, que um país constrói a sua soberania. Isso é ainda mais verdadeiro neste início de século XXI, em que a sociedade da informação se consolida e o capital intelectual, entendido como a capacidade de transformar em riqueza o conhecimento, torna-se um fator primordial de êxito para indivíduos, organizações, empresas e nações.
Percebe-se, então, a importância que a educação tem para que sejamos capazes de mudar nossa posição no concerto das nações, deixando de ser – como já fomos – simples usuários de tecnologias importadas para nos tornarmos, cada vez mais, produtores de soluções originais, forjadas em resposta às nossas reais necessidades e sintonizadas com o nosso contexto social, econômico e cultural.


Deixe uma resposta

Maurício Ayer (Org.) – Conhecimento E Cidadania: Tecnologia Social E Educação

Neste caderno, abordamos o tema da Tecnologia Social e Educação. Um dos maiores desafios que se colocam à nação brasileira é o de universalizar uma educação de qualidade, como política de Estado de ação permanente. Não se trata de construir prédios e chamá-los de “escolas”, mas sim de proporcionar espaços de ensino-aprendizagem em que tanto os educadores quanto os educandos sejam respeitados integralmente como seres humanos e que isto seja o alicerce de sua formação intelectual e de cidadania.
Para tanto, é imprescindível que a educação tenha como fundamento primeiro o diálogo.
Assim, o educador torna-se mestre: tratando ou educando como sujeito, conduzindo-o no processo em que vai buscar encontrar a si mesmo, desenvolver suas capacidades e potencialidades, descobrir seus interesses e olhar com clareza para a realidade em que vive e compreendê-la. Isso possibilitará que ele, educando, enxergue as suas dificuldades não como barreiras intransponíveis, mas como estímulos para a superação; e as suas necessidades como alimento para a transformação de si e do mundo.
É no respeito e na formação humana de seus cidadãos, na sua autonomia de sujeitos pensantes, críticos, solidários e livres, que um país constrói a sua soberania. Isso é ainda mais verdadeiro neste início de século XXI, em que a sociedade da informação se consolida e o capital intelectual, entendido como a capacidade de transformar em riqueza o conhecimento, torna-se um fator primordial de êxito para indivíduos, organizações, empresas e nações.
Percebe-se, então, a importância que a educação tem para que sejamos capazes de mudar nossa posição no concerto das nações, deixando de ser – como já fomos – simples usuários de tecnologias importadas para nos tornarmos, cada vez mais, produtores de soluções originais, forjadas em resposta às nossas reais necessidades e sintonizadas com o nosso contexto social, econômico e cultural.


Deixe uma resposta


Desenvolvido pela Quanta Comunicação