Grupo Carta De Belém – Territórios

A obra demonstra que os biomas e territórios estão em permanente disputa e refletindo a resistência e a luta por direitos e pelo Bem Viver.

Grupo Carta De Belém – Territórios: Resistências, Direitos E Bem Viver

O Grupo Carta de Belém completou 10 anos de existência em 2019, com expectativas de avanços nas lutas populares em defesa dos direitos socioambientais de povos e comunidades tradicionais, camponesas/es, povos indígenas, agricultoras/es familiares e populações periféricas das cidades.

Tendo os mecanismos de mercantilização e financeirização como a principal falsa solução que busca retirar os territórios das mãos dos povos, diante de todo o cenário de retrocessos profundos na construção da democracia no Brasil, seguimos na luta e resistência em todo o país.

Os desafios estruturais e conjunturais da luta em defesa dos territórios foram enfrentados arduamente para que chegássemos aos 10 anos de existência e com muitos sonhos por realizar. Pretendemos seguir firmes com as pautas do Grupo Carta de Belém ao mesmo tempo em que o movimento da história leva-nos a atualizações e revisões dos objetivos inicialmente traçados.

Um dos objetivos do Grupo Carta de Belém que se mantém necessário e urgente é o fortalecimento de organizações locais para a atuação nas linhas de frente de defesa dos territórios. Nesse sentido, o grupo promove publicações e atividades que facilitem processos formativos nas diferentes regiões.

Neste momento de profunda reflexão sobre o que vem acontecendo com o país, resolvemos destacar, nesta publicação, análises que nos nutram para a continuidade das lutas e que também nos possibilitem estabelecer conexões e trocas de experiência com os diferentes territórios para a unidade nas resistências, tendo em vista que todos são afetados pelo avanço de estratégias capitalistas de captura do território.

Buscamos também fortalecer as culturas locais, promovendo a diversidade das culturas e linguagens próprias dos movimentos sociais e organizações populares.

As valiosas contribuições das companheiras e companheiros da Amazônia, Cerrado, Pantanal, Caatinga, Pampa e Mata Atlântica formam o conteúdo deste material, demonstrando que os biomas e territórios estão em permanente disputa e, portanto, refletindo a resistência e a luta por direitos e pelo Bem Viver. Seguimos com um aprendizado coletivo e compartilhado que nos inspira a continuar avançando!


Deixe uma resposta

Grupo Carta De Belém – Territórios

A obra demonstra que os biomas e territórios estão em permanente disputa e refletindo a resistência e a luta por direitos e pelo Bem Viver.

Grupo Carta De Belém - Territórios: Resistências, Direitos E Bem Viver

O Grupo Carta de Belém completou 10 anos de existência em 2019, com expectativas de avanços nas lutas populares em defesa dos direitos socioambientais de povos e comunidades tradicionais, camponesas/es, povos indígenas, agricultoras/es familiares e populações periféricas das cidades.

Tendo os mecanismos de mercantilização e financeirização como a principal falsa solução que busca retirar os territórios das mãos dos povos, diante de todo o cenário de retrocessos profundos na construção da democracia no Brasil, seguimos na luta e resistência em todo o país.

Os desafios estruturais e conjunturais da luta em defesa dos territórios foram enfrentados arduamente para que chegássemos aos 10 anos de existência e com muitos sonhos por realizar. Pretendemos seguir firmes com as pautas do Grupo Carta de Belém ao mesmo tempo em que o movimento da história leva-nos a atualizações e revisões dos objetivos inicialmente traçados.

Um dos objetivos do Grupo Carta de Belém que se mantém necessário e urgente é o fortalecimento de organizações locais para a atuação nas linhas de frente de defesa dos territórios. Nesse sentido, o grupo promove publicações e atividades que facilitem processos formativos nas diferentes regiões.

Neste momento de profunda reflexão sobre o que vem acontecendo com o país, resolvemos destacar, nesta publicação, análises que nos nutram para a continuidade das lutas e que também nos possibilitem estabelecer conexões e trocas de experiência com os diferentes territórios para a unidade nas resistências, tendo em vista que todos são afetados pelo avanço de estratégias capitalistas de captura do território.

Buscamos também fortalecer as culturas locais, promovendo a diversidade das culturas e linguagens próprias dos movimentos sociais e organizações populares.

As valiosas contribuições das companheiras e companheiros da Amazônia, Cerrado, Pantanal, Caatinga, Pampa e Mata Atlântica formam o conteúdo deste material, demonstrando que os biomas e territórios estão em permanente disputa e, portanto, refletindo a resistência e a luta por direitos e pelo Bem Viver. Seguimos com um aprendizado coletivo e compartilhado que nos inspira a continuar avançando!


Deixe uma resposta


Desenvolvido pela Quanta Comunicação