Rubén Darío, Manuel Gutiérrez Nájera & Leopoldo Lugones – Contos Hispano-Americanos Fantásticos, Frágeis, Fatais

Contos hispano-americanos fantásticos, frágeis, fatais” reúne em um só livro Rubén Darío, nicaraguense criador do modernismo em língua espanhola, Leopoldo Lugones, insuperável literato argentino e o mexicano Manuel Nájera. Três expoentes da literatura modernista revelam em seus contos o ambiente do início do século XX, onde a busca por novas formas, a descoberta do Oriente e o questionamento da racionalidade científica tornam o período um dos mais criativos de toda a cultura ocidental.
Seus contos fantásticos, frágeis e fatais são a semeadura do realismo mágico e do fantástico, da crítica social, e de uma nova maneira de se expressar. Conhecê-los é achar o que há de melhor na América hispânica, nos aproximando de nossos vizinhos pela via simbólica: um caminho cheio de espanto.
O intercâmbio de ideias que fervia no período ocorreu também nos países hispano americanos do continente inaugurando a modernidade em língua hispânica e iniciando o modernismo – ainda parnasiano – antes das vanguardas que veríamos no Brasil apenas em 1922. Um prazer entender o período a partir de tão vigorosos contos, tão diversos e tão próximos de nós.


Deixe uma resposta

Rubén Darío, Manuel Gutiérrez Nájera & Leopoldo Lugones – Contos Hispano-Americanos Fantásticos, Frágeis, Fatais

Contos hispano-americanos fantásticos, frágeis, fatais” reúne em um só livro Rubén Darío, nicaraguense criador do modernismo em língua espanhola, Leopoldo Lugones, insuperável literato argentino e o mexicano Manuel Nájera. Três expoentes da literatura modernista revelam em seus contos o ambiente do início do século XX, onde a busca por novas formas, a descoberta do Oriente e o questionamento da racionalidade científica tornam o período um dos mais criativos de toda a cultura ocidental.
Seus contos fantásticos, frágeis e fatais são a semeadura do realismo mágico e do fantástico, da crítica social, e de uma nova maneira de se expressar. Conhecê-los é achar o que há de melhor na América hispânica, nos aproximando de nossos vizinhos pela via simbólica: um caminho cheio de espanto.
O intercâmbio de ideias que fervia no período ocorreu também nos países hispano americanos do continente inaugurando a modernidade em língua hispânica e iniciando o modernismo – ainda parnasiano – antes das vanguardas que veríamos no Brasil apenas em 1922. Um prazer entender o período a partir de tão vigorosos contos, tão diversos e tão próximos de nós.


Deixe uma resposta


Desenvolvido pela Quanta Comunicação