Oscar Wilde – Teatro Completo Vol. II (Edição Bilíngue)

Posted on Posted in Teatro

Neste segundo volume da coleção são apresentadas as demais peças escritas por Oscar Wilde: “Salomé”, “Uma Mulher sem Importância”, “Um Marido Ideal”, “Uma Tragédia Florentina” e “A Santa Cortesã”.
“Salomé” é um drama poético, escrito em 1892 em francês e traduzido para o inglês em 1894, por Lorde Alfred Douglas, e baseia-se em passagens dos Evangelhos segundo Mateus (14:3-11) e segundo Marcos (6:21-28). O drama foi escrito para ser representado em Paris por Sarah Bernhardt, grande amiga do escritor, sendo proibido na Inglaterra por conter personagens bíblicos. O drama gira em torno dos acontecimentos envolvendo Iokanaan (são João Batista), um santo e um profeta muito popular para o povo cristão, que está encarcerado na masmorra do palácio de Herodes Antipas por denunciar a corrupção reinante nos altos escalões do governo e a imoralidade na corte. Ele é muito desejado por Salomé, filha de Herodes Filipe e Herodíade, criada na corte do tio, Herodes Antipas. Porém João Batista a repele com desgosto e recomenda que ela procure Yeoshua, para se redimir de seus pecados. Em uma festa no palácio, Herodes Antipas, pede para que a sobrinha faça a dança dos sete véus. Muito entusiasmado com a performance e feliz por ter agradado os convidados ele se compromete em lhe dar uma recompensa, então fica estarrecido com o pedido de Salomé: ela quer a cabeça de João Batista, numa bandeja de prata. Constrangido e com receio da popularidade de João Batista perante aos camponeses, ele tenta negociar toda sua riqueza, em vão, pois Salomé está decidida. Sem escolha, o tetrarca atende ao pedido de Salomé e lhe entrega a cabeça de João Batista em uma bandeja de prata, ela por sua vez, beija a boca da cabeça decepada do morto num êxtase de forma doentia. Revoltado, com a atitude de Salomé, ele manda matá-la.
“Uma Mulher sem Importância” é a segunda comédia de sociedade que Oscar Wilde escreveu, em 1892, e teve sua estreia em 19 de Abril de 1893, no Haymarket Theatre, em Londres. Como característica de Wilde essa peça tem momentos ora de muito humor, ora de grande tensão e dramatismo. A comédia se passa em plena sociedade vitoriana e conta a história de um jovem ambicioso, Gerard Arbuthnot, filho ilegítimo, que se vê forçado a escolher entre o pai, um influente aristocrata, e sua mãe, uma mulher sem importância. Quando o senhor Illingworth lhe oferece um emprego como seu secretário, Gerard fica radiante com a possibilidade de entrar para a sofisticada sociedade, porém sua mãe esconde um segredo há vinte anos que pode destruir a felicidade de seu filho. Como ela poderá mostrar a Gerard que o senhor Illingworth, contrariamente às aparências é um homem sem importância? O personagem de Lorde Illingworth é um impressivo alter-ego de Oscar Wilde que fez a seguinte descrição da peça: “Os críticos acharam que ‘O Leque de Lady Windermere’ possuía muitos diálogos e pouca ação; resolvi, por isso, escrever a peça perfeita: apenas dialogo, e nenhuma ação.”
“Um Marido Ideal” é uma comédia escrita em 1895 por Oscar Wilde, e que gira em torno de chantagem e corrupção política, ressaltando as fraquezas humanas e a hipocrisia social. A trama é ambientada no final do século 19, em Londres. Sir Robert Chiltern é um homem bem sucedido em todos os aspectos, um político excepcional, tem amizade com muitas pessoas influentes e um casamento perfeito com Gertrude. Quando está preste a ser nomeado para o gabinete, a sedutora Lady Laura Cheveley surge com uma carta que esconde um segredo do seu passado aparentemente honesto, chantageando a destruir sua carreira e casamento caso não defenda um projeto falido na Câmara, do qual ela fez um grande investimento financeiro. Quando sua vida parece estar arruinada, Sir Robert pede ajuda a Arthur Goring, um solteirão festeiro e muito namorador, para salvar seu casamento.
“Uma Tragédia Florentina” é um fragmento de uma tragédia que nunca foi concluída por Oscar Wilde. A ambientação da peça acontece na Florença Renascentista no início do século 16 e conta o caso de amor ilícito entre o príncipe local, Guido, e a plebeia encantadora, Bianca. Quando seu marido, o rico comerciante de tecidos Simon, volta para casa depois de semanas ausente, encontra sua esposa em companhia de um homem que se apresenta como príncipe Guido, Simon finge hospitalidade e o príncipe começa a ficar incomodado. Ele pede que Bianca traga uma garrafa de vinho para comemorar a visita honorável no príncipe. O príncipe, por sua vez, cansado da situação toma de sua espada e se despede de Bianca com um beijo apaixonado. Simon diz que também tem uma espada e propõe um duelo para ver qual das duas espadas é a melhor.
“A Santa Cortesã”, ou La Sainte Courtisane, é uma peça inacabada que Oscar Wilde escreveu em 1894. O projeto original foi esquecido em um táxi pelo autor, e apenas um fragmento sobreviveu até os dias atuais. Explora uma das grandes obsessões de Oscar Wilde: o paradoxo do hedonismo religioso e a piedade pagã. “A Santa Cortesã” conta a história de uma prostituta de beleza inigualável, coberta de joias, que faz uma peregrinação ao deserto para procurar um belo e jovem eremita, um homem muito santo, que vive uma vida de oração e nunca encara diretamente as mulheres nos olhos. A prostituta Myrrhina surge diante de Honório em toda sua glória e, enquanto ele tenta convencê-la a consertar os seus caminhos e seguir o caminho de santidade, acaba por cometer o erro de levantar os olhos em direção ao seu rosto adorável. Nesse ponto, o eremita decide deixar sua caverna solitária e ir para Alexandria, a cidade dos prazeres, onde Myrrhina vivia e onde ele poderá ‘saborear dos sete pecados’. Myrrhina, depois de ouvir o santo homem, decide o contrário e fica no deserto para viver a vida de santidade. No final, os dois personagens percebem um está vivendo a vida do outros, de acordo com algum tipo de plano divino.

Deixe uma resposta