Bell Hooks – Ensinando A Transgredir: A Educação Como Prática Da Liberdade
Em Ensinando A Transgredir, Bell Hooks – escritora, professora e intelectual negra insurgente – escreve sobre um novo tipo de educação, a educação como prática da liberdade.
Para Hooks, ensinar os alunos a “transgredir” as fronteiras raciais, sexuais e de classe a fim de alcançar o dom da liberdade é o objetivo mais importante do professor.
Ensinando A Transgredir, repleto de paixão e política, associa um conhecimento prático da sala de aula com uma conexão profunda com o mundo das emoções e sentimentos.
Ensinando A Transgredir é  um dos raros livros sobre professores e alunos que ousa levantar questões críticas sobre Eros e a raiva, o sofrimento e a reconciliação e o futuro do próprio ensino.
Segundo Bell Hooks, “a educação como prática da liberdade é um jeito de ensinar que qualquer um pode aprender”. Ensinando A Transgredir registra a luta de uma talentosa professora para fazer a sala de aula dar certo.
O livro Ensinando A Transgredir é um ensaio que relata as experiências da Bell Hooks como professora nos Estados Unidos, e o sistema educacional num sentido globalizado da tradição da educação do Ocidente.
A pedagogia crítica e a educação de liberdade são as bases desse ensaio que demonstra a importância da educação como prática social humanista. A realidade educacional no mundo ocidental, por vezes, desinforma.
Ensinando A Transgredir argumenta que os professores que têm usado o controle e o poder sobre os alunos, sentem-se oprimidos e precisam de entusiasmo. “É preciso distinguir e dar crédito às especificidades de cada aluno e ao seu papel para a abordagem de linha de montagem para a aprendizagem”.
Ensinando A Transgredir defende que as universidades incentivam alunos e professores a transgredir, e procurou maneiras de usar a colaboração para tornar o aprendizado mais relaxante e emocionante. Descreve o ensino como “um catalisador que convida todos a se tornarem mais engajados”.
Ensinando A Transgredir tem 14 capítulos, e cada um deles têm os seus verdadeiros contextos, mas sem fugir do tema. Em todos esses capítulos, ela questiona as pedagogias e propõe a pedagogia engajada e comunitária dando ênfase à pedagogia feminista como sendo uma alternativa.

 

Camisa Árvore Do Conhecimento

Deixe uma resposta