Esta obra apresenta-se como um trabalho de fôlego, que se propõe a resgatar as origens do empreendimento lacaniano, explicitando as linhas de força que se perpetuaram no programa que formulou e reformulou a psicanálise, assim como a deslindar a teia de referência que alimentaram esse processo de formação. Sem mimetizar o estilo de Lacan ? como acontece com boa parte da literatura lacaniana disponível ?, oferece-se como uma ferramenta extremamente útil para a compreensão de seus textos e, uma perspectiva mais ampla, contribui decisivamente para a elucidação do sentido geral de seu projeto teórico. Trata-se de um trabalho sobre Lacan, e não de um trabalho lacaniano, na medida em que procurou elucidar o sentido de um projeto, e de forma alguma identificar-se com ele.
Por mais que suas idéias sejam questionadas, a importância da obra de Lacan para o cenário psicanalítico e intelectual do século XX dificilmente poderia ser posta em dúvida. Seu pensamento dialogou com praticamente todas as tendências filosóficas e científicas que lhe foram contemporâneas, e a influência que exerceu estendeu-se a campos tão diversos quanto os estudos literários e o movimento feminista, para citar apenas alguns. Contudo, as peculiaridades do estilo tortuoso e barroco do autor, o cultivo deliberado da obscuridade – fundamentado, é verdade, numa certa concepção sobre a natureza do saber psicanalítico -, a multiplicidade e a heterogeneidade das referências convocadas a instrumentar sua reflexão sobre a obra freudiana tornam difícil freqüentar sua produção teórica e penoso o processo de introduzir-se nos meandros do pensamento lacaniano. Acrescente-se a isso a pouca disposição de Lacan para patentear as revisões e redirecionamentos que impôs a suas idéias e obtém-se um quadro pouco animador para os leitores não iniciados.
Diante desse quadro, Metapsicologia lacaniana: os anos de formação apresenta-se como um trabalho de fôlego, que se propõe a resgatar as origens do empreendimento lacaniano, explicitando as linhas de força que se perpetuaram no programa que formulou e reformulou para a psicanálise, assim como a deslindar – com clareza, mas sem concessões – a teia de referência que alimentaram esse processo de formação. Sem mimetizar o estilo de Lacan – como acontece com boa parte da literatura lacaniana disponível -, oferece-se como uma ferramenta extremamente útil para a compreensão de seus textos e, numa perspectiva mais ampla, contribui decisivamente para a elucidação do sentido geral de seu projeto teórico.

Deixe uma resposta