Wallace Cabral Ribeiro – Religião E Revolução

A obra Religião E Revolução identifica e analisa as investigações sociológicas de Friedrich Engels sobre a relação entre religião e política.

Wallace Cabral Ribeiro – Religião E Revolução: A Sociologia Da Religião De Friedrich Engels

A defesa da Liberdade Religiosa e da Laicidade sempre esteve presente na narrativa de evangélicos no Brasil durante a República. Se apresentam como defensores da democracia indicando que o ganho de visibilidade que tiveram desde o século passado é resultado da quebra da hegemonia católica em boa parte oriunda do fortalecimento do segmento evangélico que já teria sido perseguido no período colonial brasileiro.

O caráter combativo destes atores sociais do mainstream evangélico sempre esteve circunscrito à luta pela igualdade de condições de seu segmento religioso em relação à Igreja Católica. A luta contra a desigualdade social e contra a fome na qual se somavam alguns desses líderes e políticos evangélicos conservadores, não significava um combate ao sistema econômico capitalista ou o enfrentamento das questões raciais e de gênero que compõem, juntas, a estrutura sobre a qual se assentam as injustiças no Brasil.

Uma acomodação a essa ordem social compunha os modos de atuação da maioria de evangélicos na sociedade. No entanto, o cristianismo guarda em si um potencial revolucionário. Neste mesmo período, a força do evangelho mobilizou muitas mentes e corações animando-os para o enfrentamento das mais variadas aflições que existiam no país, ainda que com pouca visibilidade diante do modus operandi ostensivo do mainstream evangélico mais conservador e à direita no espectro ideológico.

É sobre esses cristãos que pretendem enfrentar a ordem social animados por suas comunidades de fé que Wallace Cabral falará ao longo de Religião E Revolução: A Sociologia Da Religião De Friedrich Engels. O destaque que o autor dá ao caráter revolucionário do cristianismo é oportuno por alguns motivos.

Em primeiro lugar, Wallace Cabral faz uma leitura muitíssimo cuidadosa de obras de Karl Marx e Friedrich Engels, assim como se vale da reflexão de inúmeros comentadores, deixando envergonhados aqueles que repetiam ou repetem que o marxismo se restringe a tratar a religião como ópio do povo.

Ao longo dos capítulos que compõem o livro, o autor apresenta pormenorizadamente as contribuições de Marx e Engels, principalmente deste último, sobre o fenômeno religioso e seu potencial ambíguo: como elemento de acomodação à ordem, mas também como confrontador dela.

Em segundo lugar, Religião E Revolução é oportuno diante do “espírito do tempo” marcado pelo profundo questionamento de desigualdades econômicas interseccionadas com raça e gênero. Evangélicos auto identificados como de esquerda ou progressistas vinculados as mais diversas denominações estão presentes entre esses questionadores do status quo no Brasil contemporâneo.


Deixe uma resposta

Wallace Cabral Ribeiro – Religião E Revolução

A obra Religião E Revolução identifica e analisa as investigações sociológicas de Friedrich Engels sobre a relação entre religião e política.

Wallace Cabral Ribeiro - Religião E Revolução: A Sociologia Da Religião De Friedrich Engels

A defesa da Liberdade Religiosa e da Laicidade sempre esteve presente na narrativa de evangélicos no Brasil durante a República. Se apresentam como defensores da democracia indicando que o ganho de visibilidade que tiveram desde o século passado é resultado da quebra da hegemonia católica em boa parte oriunda do fortalecimento do segmento evangélico que já teria sido perseguido no período colonial brasileiro.

O caráter combativo destes atores sociais do mainstream evangélico sempre esteve circunscrito à luta pela igualdade de condições de seu segmento religioso em relação à Igreja Católica. A luta contra a desigualdade social e contra a fome na qual se somavam alguns desses líderes e políticos evangélicos conservadores, não significava um combate ao sistema econômico capitalista ou o enfrentamento das questões raciais e de gênero que compõem, juntas, a estrutura sobre a qual se assentam as injustiças no Brasil.

Uma acomodação a essa ordem social compunha os modos de atuação da maioria de evangélicos na sociedade. No entanto, o cristianismo guarda em si um potencial revolucionário. Neste mesmo período, a força do evangelho mobilizou muitas mentes e corações animando-os para o enfrentamento das mais variadas aflições que existiam no país, ainda que com pouca visibilidade diante do modus operandi ostensivo do mainstream evangélico mais conservador e à direita no espectro ideológico.

É sobre esses cristãos que pretendem enfrentar a ordem social animados por suas comunidades de fé que Wallace Cabral falará ao longo de Religião E Revolução: A Sociologia Da Religião De Friedrich Engels. O destaque que o autor dá ao caráter revolucionário do cristianismo é oportuno por alguns motivos.

Em primeiro lugar, Wallace Cabral faz uma leitura muitíssimo cuidadosa de obras de Karl Marx e Friedrich Engels, assim como se vale da reflexão de inúmeros comentadores, deixando envergonhados aqueles que repetiam ou repetem que o marxismo se restringe a tratar a religião como ópio do povo.

Ao longo dos capítulos que compõem o livro, o autor apresenta pormenorizadamente as contribuições de Marx e Engels, principalmente deste último, sobre o fenômeno religioso e seu potencial ambíguo: como elemento de acomodação à ordem, mas também como confrontador dela.

Em segundo lugar, Religião E Revolução é oportuno diante do “espírito do tempo” marcado pelo profundo questionamento de desigualdades econômicas interseccionadas com raça e gênero. Evangélicos auto identificados como de esquerda ou progressistas vinculados as mais diversas denominações estão presentes entre esses questionadores do status quo no Brasil contemporâneo.


Deixe uma resposta


Desenvolvido pela Quanta Comunicação