Raul Brandão – A Morte Do Palhaço

K. Maurício é um palhaço de circo que adora fazer rir as pessoas, tornando-as felizes. Durante as suas atuações, em cada gesto ou palavra, exprime o seu estado de espírito e a sua vida fantasiosa e faz isto perfeitamente porque vive num constante mundo de sonho, sem dar importância ao que é mundano.  Um dia apaixona-se por Camélia, uma trapezista, mas ao exprimir o seu amor, expondo os seus sentimentos como costuma fazer nas suas atuações, apercebe-se que Camélia apenas se ri das suas lágrimas e dos seus sentimentos. Isto acaba por leva-lo ao desespero e a cometer actos encabeçados pelo ciúme. A obra foi publicada pela primeira vez em 1896 sob o título de “História d’um Palhaço (A Vida e o Diário de K. Maurício)” na qual incluía duas partes: A história trágica do Palhaço contada na terceira pessoa; e um diário, contado na primeira pessoa, sobre as reflexões pessoais do protagonista durante o desenrolar dos acontecimentos da primeira parte – Este tipo de estrutura narrativa torna-a numa obra vanguardista para a época em que foi pela primeira vez publicada.

 


Deixe uma resposta

Raul Brandão – A Morte Do Palhaço

K. Maurício é um palhaço de circo que adora fazer rir as pessoas, tornando-as felizes. Durante as suas atuações, em cada gesto ou palavra, exprime o seu estado de espírito e a sua vida fantasiosa e faz isto perfeitamente porque vive num constante mundo de sonho, sem dar importância ao que é mundano.  Um dia apaixona-se por Camélia, uma trapezista, mas ao exprimir o seu amor, expondo os seus sentimentos como costuma fazer nas suas atuações, apercebe-se que Camélia apenas se ri das suas lágrimas e dos seus sentimentos. Isto acaba por leva-lo ao desespero e a cometer actos encabeçados pelo ciúme. A obra foi publicada pela primeira vez em 1896 sob o título de “História d’um Palhaço (A Vida e o Diário de K. Maurício)” na qual incluía duas partes: A história trágica do Palhaço contada na terceira pessoa; e um diário, contado na primeira pessoa, sobre as reflexões pessoais do protagonista durante o desenrolar dos acontecimentos da primeira parte – Este tipo de estrutura narrativa torna-a numa obra vanguardista para a época em que foi pela primeira vez publicada.

 


Deixe uma resposta


Desenvolvido pela Quanta Comunicação