Neuza Guareschi – Estratégias De Invenção Do Presente: A Psicologia Social No Contemporâneo

A temática deste Congresso Estratégias de invenção do presente: a Psicologia Social no contemporâneo exprime essa trajetória da ABRAPSO e atualiza assim as múltiplas estratégias de resistência e criação, que encontram neste espaço um território de interlocução e de interface entre saberes e fazeres, que tem na experiência do sujeito de hoje a inspiração reflexiva necessária tanto à produção de conhecimento, como às propostas de intervenção que caracterizam a Psicologia Social no presente.
Buscamos movimentos de construção da Psicologia como uma ação política e social, como um conhecimento que produz diferenças e não somente as acomoda, que pretende experimentar a potência do múltiplo. Como forma de abordar a complexidade deste momento, temos que buscar ações positivas e afirmativas que possam inventar novos modos de existência.
Enfatizamos o processo de constituição de redes e iniciativas de diferentes segmentos da sociedade que objetivem organizações substitutivas às hegemonias que configuram o regime neoliberal, apagador de diferenças e padronizador da subjetividade. Para tanto, precisamos contemplar iniciativas que compreendam o intersubjetivo, a discussão e a problematização de novas tecnologias e modelos alternativos de sustentabilidade, nas diversas instâncias e extratos da coletividade.


Deixe uma resposta

Neuza Guareschi – Estratégias De Invenção Do Presente: A Psicologia Social No Contemporâneo

A temática deste Congresso Estratégias de invenção do presente: a Psicologia Social no contemporâneo exprime essa trajetória da ABRAPSO e atualiza assim as múltiplas estratégias de resistência e criação, que encontram neste espaço um território de interlocução e de interface entre saberes e fazeres, que tem na experiência do sujeito de hoje a inspiração reflexiva necessária tanto à produção de conhecimento, como às propostas de intervenção que caracterizam a Psicologia Social no presente.
Buscamos movimentos de construção da Psicologia como uma ação política e social, como um conhecimento que produz diferenças e não somente as acomoda, que pretende experimentar a potência do múltiplo. Como forma de abordar a complexidade deste momento, temos que buscar ações positivas e afirmativas que possam inventar novos modos de existência.
Enfatizamos o processo de constituição de redes e iniciativas de diferentes segmentos da sociedade que objetivem organizações substitutivas às hegemonias que configuram o regime neoliberal, apagador de diferenças e padronizador da subjetividade. Para tanto, precisamos contemplar iniciativas que compreendam o intersubjetivo, a discussão e a problematização de novas tecnologias e modelos alternativos de sustentabilidade, nas diversas instâncias e extratos da coletividade.


Deixe uma resposta


Desenvolvido pela Quanta Comunicação