Um Meio Tempo Preparando Outro Tempo

Um Meio Tempo Preparando Outro Tempo reúne experiências concretas de mulheres envolvidas com a agroecologia.

Um Meio Tempo Preparando Outro Tempo reúne experiências concretas, enraizadas em diferentes territórios do Sudeste brasileiro, de mulheres envolvidas com a agroecologia. No decorrer da pandemia da Covid-19, elas teceram resistências e formas de existir em conjunto que possibilitaram que a vida — delas e das suas famílias, comunidades e redes — pudesse continuar.

Os textos são resultado de pesquisas que sistematizam o vivenciado neste momento tão particular enquanto ainda estamos mergulhadas nele. Realizadas por pesquisadoras e ativistas do movimento feminista e agroecológico, demonstram a potência da solidariedade e da partilha do conhecimento entre mulheres com diferentes inserções: instituições de pesquisa e ONG que constroem movimento, em diálogo com as agricultoras — e a todas muito agradecemos.

Os dois primeiros artigos compartilham aprendizados da pesquisa “Vulnerabilidades e resiliência de agricultoras agroecológicas face à pandemia da Covid-19”, realizada no Vale do Ribeira, em São Paulo, e na Zona da Mata de Minas Gerais. Em ambos os casos são analisadas as mudanças causadas pelo isolamento social e a pandemia nos trabalhos de cuidado (saúde, educação, assistência a pessoas em maior vulnerabilidade) e na produção, distribuição e comercialização de alimentos.

O artigo “Mulheres na pandemia: agroecologia, cuidado e ação política” traz as primeiras reflexões da pesquisa “Memórias da quarentena”, realizada pelo Núcleo de Pesquisa “Gênero e Ruralidades” do CPDA/UFRRJ e o Grupo de Trabalho Mulheres (GT Mulheres) da Articulação de Agroecologia do Rio de Janeiro (AARJ). A memória das mulheres organizando a sustentabilidade da vida é central no artigo e extremamente necessária em um tempo de crise que parece anular o futuro.

Durante a pandemia, o cotidiano continuou sendo sustentado sob a base invisível dos conhecimentos tradicionais das mulheres: na agroecologia, na preparação de banhos e chás que fortalecem e curam o corpo, na promoção das práticas econômicas alternativas ao sistema de mercado.

Links para Download

Link Quebrado?

Caso o link não esteja funcionando comente abaixo e tentaremos localizar um novo link para este livro.

Deixe seu comentário

Mais Lidos

Blog

Um Meio Tempo Preparando Outro Tempo

Um Meio Tempo Preparando Outro Tempo reúne experiências concretas de mulheres envolvidas com a agroecologia.

Um Meio Tempo Preparando Outro Tempo reúne experiências concretas, enraizadas em diferentes territórios do Sudeste brasileiro, de mulheres envolvidas com a agroecologia. No decorrer da pandemia da Covid-19, elas teceram resistências e formas de existir em conjunto que possibilitaram que a vida — delas e das suas famílias, comunidades e redes — pudesse continuar.

Os textos são resultado de pesquisas que sistematizam o vivenciado neste momento tão particular enquanto ainda estamos mergulhadas nele. Realizadas por pesquisadoras e ativistas do movimento feminista e agroecológico, demonstram a potência da solidariedade e da partilha do conhecimento entre mulheres com diferentes inserções: instituições de pesquisa e ONG que constroem movimento, em diálogo com as agricultoras — e a todas muito agradecemos.

Os dois primeiros artigos compartilham aprendizados da pesquisa “Vulnerabilidades e resiliência de agricultoras agroecológicas face à pandemia da Covid-19”, realizada no Vale do Ribeira, em São Paulo, e na Zona da Mata de Minas Gerais. Em ambos os casos são analisadas as mudanças causadas pelo isolamento social e a pandemia nos trabalhos de cuidado (saúde, educação, assistência a pessoas em maior vulnerabilidade) e na produção, distribuição e comercialização de alimentos.

O artigo “Mulheres na pandemia: agroecologia, cuidado e ação política” traz as primeiras reflexões da pesquisa “Memórias da quarentena”, realizada pelo Núcleo de Pesquisa “Gênero e Ruralidades” do CPDA/UFRRJ e o Grupo de Trabalho Mulheres (GT Mulheres) da Articulação de Agroecologia do Rio de Janeiro (AARJ). A memória das mulheres organizando a sustentabilidade da vida é central no artigo e extremamente necessária em um tempo de crise que parece anular o futuro.

Durante a pandemia, o cotidiano continuou sendo sustentado sob a base invisível dos conhecimentos tradicionais das mulheres: na agroecologia, na preparação de banhos e chás que fortalecem e curam o corpo, na promoção das práticas econômicas alternativas ao sistema de mercado.

Link Quebrado?

Caso o link não esteja funcionando comente abaixo e tentaremos localizar um novo link para este livro.

Deixe seu comentário

Pesquisar

Mais Lidos

Blog

Pular para o conteúdo