Em Busca De Um Novo Cinema Português

Em Busca De Um Novo Cinema Português discorre acerca da gênese do referido movimento que se tornou conhecido por tratar-se de uma transformação ampla no modo de ver e fazer cinema em Portugal.
Como se mostrou evidente, inúmeros debates acerca da função social da arte nasceram das discussões em torno do impasse estabelecido entre uma arte de viés modernista e outra, de feições neo-realistas.


A dupla vinculação do cinema com a literatura, em Portugal, faz-se não apenas através de inúmeras adaptações literárias ao longo de todo o século XX, como também a partir da atuação de escritores e poetas no interior do campo cinematográfico.
Argumentando através da atuação exatamente de alguns desses escritores, o objetivo central e estruturante deste trabalho é re-discutir e apresentar a “tetralogia do cinema neo-realista português” e re-pensar a gênese do novo cinema.
O novo cinema, como se afirma aqui, nasce da efervescência da vida cultural portuguesa ao longo dos anos 1950, contrariando o ponto de vista consensual, que percebe a mencionada década como os anos negros do cinema português.
A experiência do cineclubismo, a enorme difusão e veiculação das revistas especializadas, bem como a atuação de Manuel Guimarães, Alves Redol e Leão Penedo são o ponto de partida para o debate em torno das feições de um novo cinema que se dá, sobretudo, ao longo dos anos 1950 e dos anos 1960.
Através do contraponto entre os filmes de Manuel Guimarães realizados na década de 1950, tais como Saltimbancos (1952), Nazaré (1956) e Vidas sem rumo (1956) a película de Ernesto de Sousa, Dom Roberto (1962), a obra de Manoel de Oliveira até oActo da primavera (1963) e a tríade que compõe o marco inicial (segundo a historiografia canônica e a crítica de cinema) do novo cinema português pretende-se compreender melhor a gênese desse novo cinema, delineando a estrutura teórica e estética que compõe a nova vaga do cinema português.
Para tanto, o trabalho reveste-se de uma componente histórica que é imprescindível, apesar do interesse maior estar contido na interpretação e, sobretudo, na avaliação destes dados.
Através de uma cuidadosa pesquisa que já tem avançada documentação, pretendemos recuperar e reconstituir o que foi o novo cinema português, questionando quer as fontes históricas oficiais quer a fala do discurso especializado pontos-chave da tese em questão.

 

Links para Download

Link Quebrado?

Caso o link não esteja funcionando comente abaixo e tentaremos localizar um novo link para este livro.

Deixe seu comentário

Mais Lidos

Blog

Em Busca De Um Novo Cinema Português

Em Busca De Um Novo Cinema Português discorre acerca da gênese do referido movimento que se tornou conhecido por tratar-se de uma transformação ampla no modo de ver e fazer cinema em Portugal.
Como se mostrou evidente, inúmeros debates acerca da função social da arte nasceram das discussões em torno do impasse estabelecido entre uma arte de viés modernista e outra, de feições neo-realistas.
A dupla vinculação do cinema com a literatura, em Portugal, faz-se não apenas através de inúmeras adaptações literárias ao longo de todo o século XX, como também a partir da atuação de escritores e poetas no interior do campo cinematográfico.
Argumentando através da atuação exatamente de alguns desses escritores, o objetivo central e estruturante deste trabalho é re-discutir e apresentar a “tetralogia do cinema neo-realista português” e re-pensar a gênese do novo cinema.
O novo cinema, como se afirma aqui, nasce da efervescência da vida cultural portuguesa ao longo dos anos 1950, contrariando o ponto de vista consensual, que percebe a mencionada década como os anos negros do cinema português.
A experiência do cineclubismo, a enorme difusão e veiculação das revistas especializadas, bem como a atuação de Manuel Guimarães, Alves Redol e Leão Penedo são o ponto de partida para o debate em torno das feições de um novo cinema que se dá, sobretudo, ao longo dos anos 1950 e dos anos 1960.
Através do contraponto entre os filmes de Manuel Guimarães realizados na década de 1950, tais como Saltimbancos (1952), Nazaré (1956) e Vidas sem rumo (1956) a película de Ernesto de Sousa, Dom Roberto (1962), a obra de Manoel de Oliveira até oActo da primavera (1963) e a tríade que compõe o marco inicial (segundo a historiografia canônica e a crítica de cinema) do novo cinema português pretende-se compreender melhor a gênese desse novo cinema, delineando a estrutura teórica e estética que compõe a nova vaga do cinema português.
Para tanto, o trabalho reveste-se de uma componente histórica que é imprescindível, apesar do interesse maior estar contido na interpretação e, sobretudo, na avaliação destes dados.
Através de uma cuidadosa pesquisa que já tem avançada documentação, pretendemos recuperar e reconstituir o que foi o novo cinema português, questionando quer as fontes históricas oficiais quer a fala do discurso especializado pontos-chave da tese em questão.

 

https://livrandante.com.br/produto/camisa-digitalizado-2/

Link Quebrado?

Caso o link não esteja funcionando comente abaixo e tentaremos localizar um novo link para este livro.

Deixe seu comentário

Pesquisar

Mais Lidos

Blog