Marlise Buchweitz – Pelos Caminhos De Satolep

Este livro é uma análise do romance Satolep, do escritor pelotense Vitor Ramil, cujo foco é o olhar para diferentes questões sobre a cidade.

Marlise Buchweitz – Pelos Caminhos De Satolep

Esta é uma análise do romance Satolep, do escritor pelotense Vitor Ramil, cujo foco é o olhar para diferentes questões sobre a cidade, as quais são: a cidade em seus aspectos físicos; a viagem na cidade – tanto na própria Satolep como em outras cidades para as quais a personagem principal, Selbor, se desloca, em função de seu trabalho e do desejo de esquecer Satolep; a memória – não só a memória que Selbor leva consigo de Satolep quando dela se distancia, como também a memória da cidade gravada nas fotografias durante a estada em Satolep, a qual podemos denominar de memória da paisagem cultural; e o percurso para a construção de um olhar que realmente consegue dar conta do lugar.

Direciono o olhar para o percurso da personagem principal pelos caminhos de uma cidade, olhar que é permeado pelas viagens por outras cidades e pelo olhar para o interior de si mesmo; e, ao fazê-lo, relembro que “[…] ler é principalmente uma experiência individual, uma expressão [da] autonomia individual”.

Deste modo, a leitura sobre o movimento empreendido por Selbor é resultado de uma leitura individual, uma expressão de um eu que pressentiu a necessidade de pensar sobre estas questões, as quais me inquietam enquanto leitora da cidade. Ler aqui se confunde com um deslocar-se sozinho por um labirinto, pois a leitura é um ir e voltar para encontrar um caminho a seguir.

O romance Satolep constitui-se através de três narrativas: a das fotografias, a dos textos relacionados a cada fotografia – em fonte itálica –, e o longo e predominante relato do personagem Selbor sobre suas andanças e seus movimentos para a cidade e na cidade – narrativa em blocos e grafada em fonte normal.

Selbor empreende um percurso por dentro de Satolep, num primeiro momento para perceber o que o trouxe de volta – já que se deslocou para outros lugares quando ainda jovem e algo o impulsiona a voltar.

Depois, num segundo momento, após sentir que precisa registrar aquela cidade, ele trabalha para completar seu diário de viagem: um apanhado de fotografias e textos que possibilitarão aos futuros moradores de Satolep olhar para aquelas mesmas fachadas, aqueles casarões que seu olhar (o de Selbor) registrou, ainda que através de uma imagem em papel.


Deixe uma resposta

Marlise Buchweitz – Pelos Caminhos De Satolep

Este livro é uma análise do romance Satolep, do escritor pelotense Vitor Ramil, cujo foco é o olhar para diferentes questões sobre a cidade.

Marlise Buchweitz - Pelos Caminhos De Satolep

Esta é uma análise do romance Satolep, do escritor pelotense Vitor Ramil, cujo foco é o olhar para diferentes questões sobre a cidade, as quais são: a cidade em seus aspectos físicos; a viagem na cidade – tanto na própria Satolep como em outras cidades para as quais a personagem principal, Selbor, se desloca, em função de seu trabalho e do desejo de esquecer Satolep; a memória – não só a memória que Selbor leva consigo de Satolep quando dela se distancia, como também a memória da cidade gravada nas fotografias durante a estada em Satolep, a qual podemos denominar de memória da paisagem cultural; e o percurso para a construção de um olhar que realmente consegue dar conta do lugar.

Direciono o olhar para o percurso da personagem principal pelos caminhos de uma cidade, olhar que é permeado pelas viagens por outras cidades e pelo olhar para o interior de si mesmo; e, ao fazê-lo, relembro que “[…] ler é principalmente uma experiência individual, uma expressão [da] autonomia individual”.

Deste modo, a leitura sobre o movimento empreendido por Selbor é resultado de uma leitura individual, uma expressão de um eu que pressentiu a necessidade de pensar sobre estas questões, as quais me inquietam enquanto leitora da cidade. Ler aqui se confunde com um deslocar-se sozinho por um labirinto, pois a leitura é um ir e voltar para encontrar um caminho a seguir.

O romance Satolep constitui-se através de três narrativas: a das fotografias, a dos textos relacionados a cada fotografia – em fonte itálica –, e o longo e predominante relato do personagem Selbor sobre suas andanças e seus movimentos para a cidade e na cidade – narrativa em blocos e grafada em fonte normal.

Selbor empreende um percurso por dentro de Satolep, num primeiro momento para perceber o que o trouxe de volta – já que se deslocou para outros lugares quando ainda jovem e algo o impulsiona a voltar.

Depois, num segundo momento, após sentir que precisa registrar aquela cidade, ele trabalha para completar seu diário de viagem: um apanhado de fotografias e textos que possibilitarão aos futuros moradores de Satolep olhar para aquelas mesmas fachadas, aqueles casarões que seu olhar (o de Selbor) registrou, ainda que através de uma imagem em papel.


Deixe uma resposta


Desenvolvido pela Quanta Comunicação