Marcio Pochmann & William Nozaki (Orgs.) – Formação Política Para A Nova Classe Trabalhadora

Formação Política Para A Nova Classe Trabalhadoraapresenta aos leitores e leitoras a experiência acumulada pela equipe da Fundação Perseu Abramo.

Marcio Pochmann & William Nozaki (Orgs.) – Formação Política Para A Nova Classe Trabalhadora: A Experiência Da Área Do conhecimento Da Fundação Perseu Abramo

Formação Política Para A Nova Classe Trabalhadora é resultado de um intenso trabalho coletivo, que envolveu concepções, pessoas e práticas de grande valor para o Partido dos Trabalhadores (PT). Ele apresenta aos leitores e leitoras a experiência acumulada pela equipe da Fundação Perseu Abramo (FPA) entre os anos 2003 e 2019.

Os dois primeiros capítulos consideraram as transformações nas trajetórias dos atores sociais e da formação política. Os atores sociais, de modo simplificado, estão representados pelo trabalhador fabril, organizado sindicalmente (1980), que se torna um trabalhador com identidades múltiplas e organizações diversas (1990), culminando em um trabalhador de serviços com identidade fraturada e organização fragmentada (2000).

A respeito da formação política, em linhas gerais, observamos que inicialmente ocorre em uma sociedade civil organizada (1980), torna-se uma esquerda política institucionalizada (1990) e culmina em estruturas partidárias, muitas vezes burocratizadas (2000). Trata-se, dessa forma, de enfatizar um certo descompasso entre um ator social que se torna mais fluido e uma formação política que se vê mais engessada. Esse desalinho será enfrentado pela área do conhecimento da Fundação Perseu Abramo (FPA), tema abordado no capítulo 3.

Portanto, o terceiro capítulo trata da sistematização, da síntese e da análise do que foi a construção da experiência da área do conhecimento na FPA. Para tanto, cada seção incorpora dados quantitativos sobre o número de inscritos, cursantes, concluintes, perfil dos alunos, alcance por unidades da federação (UF) e municípios; além de dados qualitativos com os nomes dos cursos ofertados, das disciplinas oferecidas, dos professores que integram o corpo docente, dos parceiros com quem as atividades foram realizadas, além de outras informações consideradas necessárias.

Este capítulo ainda destaca os desafios, avanços e inovações da área do conhecimento, considerando alguns eixos centrais: a ampliação, a descentralização, a capilarização, a inovação EaD, a customização, a certificação, a gestão, o diferencial e a pluralidade de conteúdos trabalhados e de plataformas utilizadas.


Deixe uma resposta

Marcio Pochmann & William Nozaki (Orgs.) – Formação Política Para A Nova Classe Trabalhadora

Formação Política Para A Nova Classe Trabalhadoraapresenta aos leitores e leitoras a experiência acumulada pela equipe da Fundação Perseu Abramo.

Marcio Pochmann & William Nozaki (Orgs.) - Formação Política Para A Nova Classe Trabalhadora: A Experiência Da Área Do conhecimento Da Fundação Perseu Abramo

Formação Política Para A Nova Classe Trabalhadora é resultado de um intenso trabalho coletivo, que envolveu concepções, pessoas e práticas de grande valor para o Partido dos Trabalhadores (PT). Ele apresenta aos leitores e leitoras a experiência acumulada pela equipe da Fundação Perseu Abramo (FPA) entre os anos 2003 e 2019.

Os dois primeiros capítulos consideraram as transformações nas trajetórias dos atores sociais e da formação política. Os atores sociais, de modo simplificado, estão representados pelo trabalhador fabril, organizado sindicalmente (1980), que se torna um trabalhador com identidades múltiplas e organizações diversas (1990), culminando em um trabalhador de serviços com identidade fraturada e organização fragmentada (2000).

A respeito da formação política, em linhas gerais, observamos que inicialmente ocorre em uma sociedade civil organizada (1980), torna-se uma esquerda política institucionalizada (1990) e culmina em estruturas partidárias, muitas vezes burocratizadas (2000). Trata-se, dessa forma, de enfatizar um certo descompasso entre um ator social que se torna mais fluido e uma formação política que se vê mais engessada. Esse desalinho será enfrentado pela área do conhecimento da Fundação Perseu Abramo (FPA), tema abordado no capítulo 3.

Portanto, o terceiro capítulo trata da sistematização, da síntese e da análise do que foi a construção da experiência da área do conhecimento na FPA. Para tanto, cada seção incorpora dados quantitativos sobre o número de inscritos, cursantes, concluintes, perfil dos alunos, alcance por unidades da federação (UF) e municípios; além de dados qualitativos com os nomes dos cursos ofertados, das disciplinas oferecidas, dos professores que integram o corpo docente, dos parceiros com quem as atividades foram realizadas, além de outras informações consideradas necessárias.

Este capítulo ainda destaca os desafios, avanços e inovações da área do conhecimento, considerando alguns eixos centrais: a ampliação, a descentralização, a capilarização, a inovação EaD, a customização, a certificação, a gestão, o diferencial e a pluralidade de conteúdos trabalhados e de plataformas utilizadas.


Deixe uma resposta


Desenvolvido pela Quanta Comunicação