Magno Francisco De Jesus Santos – Caminhos Da Penitência

Caminhos Da Penitência expõe as tensões que permeiam a Procissão dos Passos estabelecendo como fronteiras a linha férrea e os andores.

Magno Francisco De Jesus Santos – Caminhos Da Penitência: A Solenidade Do Senhor Dos Passos Na Cidade De São Cristóvão/Sergipe (1886/1920)

Caminhos Da Penitência é o resultado das “alucinações historiográficas” de um bacharelando em História da Universidade Federal de Sergipe, ao aventurar-se no estudo da Procissão dos Passos. Para tanto, Magno Francisco de Jesus Santos, aluno cuidadoso e atento ao levantamento de fontes escritas e orais, inclusive as suas, as quais denomina “lembranças do tempo de menino”, demonstra como fundamentou as bases para o seu estudo na história desse trabalho.

O resultado apresentado em Caminhos Da Penitência: A Solenidade Do Senhor Dos Passos Na Cidade De São Cristóvão/Sergipe (1886/1920) é um mergulho na pesquisa documental e na oralidade, de cuja combinação resulta o texto. A Procissão dos Passos possui referência memorialística de Serafim Santiago no seu Anuário Christovense e estudos desenvolvidos enfeixam as duas procissões e os ex-votos que evidenciam as constâncias e as transformações ocorridas ao longo do tempo.

A procissão é uma herança católica do mundo português realizada no período da Quaresma e mantida pela Ordem Terceira do Carmo. Entretanto, também se configurou como solenidade oficial da província de Sergipe no século XIX, à medida que o presidente da província convidava o povo para participar da procissão.

Na cidade de São Cristóvão, duas procissões são realizadas. Uma na noite de sábado, voltada para o pagamento de promessas; são os ex-votos das graças alcançadas pela intercessão do Senhor dos Passos. A outra, no domingo, à tarde, é a Procissão do Encontro doloroso entre Mãe e Filho. Em ambas, a cena da herança barroca presente na mentalidade e na devoção dos peregrinos/romeiros que usam mortalhas roxas, pés descalços, portam os ex-votos e, contritos, agradecem os milagres alcançados.

Caminhos Da Penitência expõe as tensões que permeiam a Procissão dos Passos estabelecendo como fronteiras a linha férrea e os andores, espaços ocupados pelos fiéis, sem apresentar pretensão totalizadora, mas esclarecendo o compromisso de sua interpretação.


Deixe uma resposta

Magno Francisco De Jesus Santos – Caminhos Da Penitência

Caminhos Da Penitência expõe as tensões que permeiam a Procissão dos Passos estabelecendo como fronteiras a linha férrea e os andores.

Magno Francisco De Jesus Santos - Caminhos Da Penitência: A Solenidade Do Senhor Dos Passos Na Cidade De São Cristóvão/Sergipe (1886/1920)

Caminhos Da Penitência é o resultado das “alucinações historiográficas” de um bacharelando em História da Universidade Federal de Sergipe, ao aventurar-se no estudo da Procissão dos Passos. Para tanto, Magno Francisco de Jesus Santos, aluno cuidadoso e atento ao levantamento de fontes escritas e orais, inclusive as suas, as quais denomina “lembranças do tempo de menino”, demonstra como fundamentou as bases para o seu estudo na história desse trabalho.

O resultado apresentado em Caminhos Da Penitência: A Solenidade Do Senhor Dos Passos Na Cidade De São Cristóvão/Sergipe (1886/1920) é um mergulho na pesquisa documental e na oralidade, de cuja combinação resulta o texto. A Procissão dos Passos possui referência memorialística de Serafim Santiago no seu Anuário Christovense e estudos desenvolvidos enfeixam as duas procissões e os ex-votos que evidenciam as constâncias e as transformações ocorridas ao longo do tempo.

A procissão é uma herança católica do mundo português realizada no período da Quaresma e mantida pela Ordem Terceira do Carmo. Entretanto, também se configurou como solenidade oficial da província de Sergipe no século XIX, à medida que o presidente da província convidava o povo para participar da procissão.

Na cidade de São Cristóvão, duas procissões são realizadas. Uma na noite de sábado, voltada para o pagamento de promessas; são os ex-votos das graças alcançadas pela intercessão do Senhor dos Passos. A outra, no domingo, à tarde, é a Procissão do Encontro doloroso entre Mãe e Filho. Em ambas, a cena da herança barroca presente na mentalidade e na devoção dos peregrinos/romeiros que usam mortalhas roxas, pés descalços, portam os ex-votos e, contritos, agradecem os milagres alcançados.

Caminhos Da Penitência expõe as tensões que permeiam a Procissão dos Passos estabelecendo como fronteiras a linha férrea e os andores, espaços ocupados pelos fiéis, sem apresentar pretensão totalizadora, mas esclarecendo o compromisso de sua interpretação.


Deixe uma resposta


Desenvolvido pela Quanta Comunicação