Luísa Saad – “Fumo De Negro”

“Fumo de Negro” é uma pesquisa sobre concepções científicas, razões políticas e mecanismos sociais que colaboraram para a proibição da cannabis no século XX

Luísa Saad – “Fumo De Negro”: A Criminalização Da Maconha No Pós-Abolição

“Fumo De Negro”: A Criminalização Da Maconha No Pós-Abolição é o resultado de uma pesquisa cuidadosa sobre concepções científicas, razões políticas e mecanismos sociais que colaboraram para a proibição do uso da cannabis no século XX. Eis um livro já indispensável no debate sobre usos, interdições e a criminalização da maconha.

Luísa Saad é uma historiadora atenta aos meandros deste processo e, por isso, seguiu o curso dos argumentos e estratégias que levaram a inclusão da planta no rol das substâncias proibidas em 1932, remontando o cenário das grandes mudanças sociais e políticas que deram lugar ao fim da escravidão e a instauração da República no Brasil.

É um texto que flagra e expõe o quanto a criminalização do “fumo de negro” estava relacionada ao controle sobre a população egressa do cativeiro e ao projeto de reafirmação das fronteiras socioraciais no Brasil republicano.

Hoje, o debate sobre o consumo da maconha tem sido configurado na encruzilhada entre o saber médico, as políticas públicas de saúde, segurança pública e o racismo que estrutura o Estado brasileiro. Este livro põe em relevo o principal sujeito nesta encruzilhada, a população negra.

Luísa Saad deixa evidente, a partir da análise de fontes diversas, – principalmente de teses e textos produzidos na faculdade de medicina -, o quanto o consenso que foi constituído em torno dos malefícios da “diamba” foi racializado; norteado pela ideia de que a maconha era mais uma das terríveis heranças da presença africana no Brasil. O texto é, sem dúvida, uma colaboração valiosa para a história do racismo.

Com talento para rastrear as polêmicas da época, a autora vai evidenciando como a progressiva criminalização em torno do consumo da maconha criou terreno para a associação entre o uso da planta aos estigmas atribuídos à população negra no pós-abolição.

“Fumo de Negro” também é uma boa aquisição para o campo da história da ciência. Saad exibe com engenhosidade o ambiente científico onde se construiu o consenso pela inclusão do “fumo de negro” na roda da ilicitude. Ao percorrer as teses médicas, a autora também nos faz perceber as inquietações, desafios e planos eugenistas que tiveram lugar nas salas e gabinetes da faculdade de medicina e direito, quando as teorias raciais moldavam as ideias dos cientistas.

Clique para
Baixar o PDF
Clique para
Baixar o ePUB

Deixe uma resposta

Luísa Saad – “Fumo De Negro”

“Fumo de Negro” é uma pesquisa sobre concepções científicas, razões políticas e mecanismos sociais que colaboraram para a proibição da cannabis no século XX

Luísa Saad - “Fumo De Negro”: A Criminalização Da Maconha No Pós-Abolição

“Fumo De Negro”: A Criminalização Da Maconha No Pós-Abolição é o resultado de uma pesquisa cuidadosa sobre concepções científicas, razões políticas e mecanismos sociais que colaboraram para a proibição do uso da cannabis no século XX. Eis um livro já indispensável no debate sobre usos, interdições e a criminalização da maconha.

Luísa Saad é uma historiadora atenta aos meandros deste processo e, por isso, seguiu o curso dos argumentos e estratégias que levaram a inclusão da planta no rol das substâncias proibidas em 1932, remontando o cenário das grandes mudanças sociais e políticas que deram lugar ao fim da escravidão e a instauração da República no Brasil.

É um texto que flagra e expõe o quanto a criminalização do “fumo de negro” estava relacionada ao controle sobre a população egressa do cativeiro e ao projeto de reafirmação das fronteiras socioraciais no Brasil republicano.

Hoje, o debate sobre o consumo da maconha tem sido configurado na encruzilhada entre o saber médico, as políticas públicas de saúde, segurança pública e o racismo que estrutura o Estado brasileiro. Este livro põe em relevo o principal sujeito nesta encruzilhada, a população negra.

Luísa Saad deixa evidente, a partir da análise de fontes diversas, - principalmente de teses e textos produzidos na faculdade de medicina -, o quanto o consenso que foi constituído em torno dos malefícios da “diamba” foi racializado; norteado pela ideia de que a maconha era mais uma das terríveis heranças da presença africana no Brasil. O texto é, sem dúvida, uma colaboração valiosa para a história do racismo.

Com talento para rastrear as polêmicas da época, a autora vai evidenciando como a progressiva criminalização em torno do consumo da maconha criou terreno para a associação entre o uso da planta aos estigmas atribuídos à população negra no pós-abolição.

“Fumo de Negro” também é uma boa aquisição para o campo da história da ciência. Saad exibe com engenhosidade o ambiente científico onde se construiu o consenso pela inclusão do “fumo de negro” na roda da ilicitude. Ao percorrer as teses médicas, a autora também nos faz perceber as inquietações, desafios e planos eugenistas que tiveram lugar nas salas e gabinetes da faculdade de medicina e direito, quando as teorias raciais moldavam as ideias dos cientistas.

Clique para
Baixar o PDF
Clique para
Baixar o ePUB

Deixe uma resposta


Desenvolvido pela Quanta Comunicação