Joaquim Nabuco – Camões E Os Lusiadas

Completam-se em 1872 os três séculos passados sobre a fronte da pyramide do espirito humano e da gloria portugueza chamada — Os Lusíadas. Qualquer, porém, que seja o tempo decorrido, a obra cada dia parece mais nova, e os louros do poeta são mais verdes; á admiração das gerações passadas junta-se a das gerações nascentes, e é dessa constante e universal homenagem que se faz a fama do cantor e do poema. Estas notas, que vão publicadas em forma e com apparencia de livro, são verdadeiras impressões pessoaes. Acontece com um poema, como os Lusíadas, o mesmo que com a natureza: cada um comprehende-a, gosa delia, ama-a segundo seu temperamento, e duas pessoas postas cm frente de um bello espectáculo do firmamento sentem differentes emoções.
Ha ainda mais uma analogia entre essas duas grandes obras: a creação que é o poema de Deus, e o poema que é a creação do génio. Quem ama verdadeiramente a natureza pôde percorrer muitas vezes o mesmo sitio, cada dia descobre uma nova belleza. A principio vê-se apenas a magnificência do panorama, depois destaca-se o horisonte, em seguida o solo, até que a variedade das maravilhas torna-se infinita.


Deixe uma resposta

Joaquim Nabuco – Camões E Os Lusiadas

Completam-se em 1872 os três séculos passados sobre a fronte da pyramide do espirito humano e da gloria portugueza chamada — Os Lusíadas. Qualquer, porém, que seja o tempo decorrido, a obra cada dia parece mais nova, e os louros do poeta são mais verdes; á admiração das gerações passadas junta-se a das gerações nascentes, e é dessa constante e universal homenagem que se faz a fama do cantor e do poema. Estas notas, que vão publicadas em forma e com apparencia de livro, são verdadeiras impressões pessoaes. Acontece com um poema, como os Lusíadas, o mesmo que com a natureza: cada um comprehende-a, gosa delia, ama-a segundo seu temperamento, e duas pessoas postas cm frente de um bello espectáculo do firmamento sentem differentes emoções.
Ha ainda mais uma analogia entre essas duas grandes obras: a creação que é o poema de Deus, e o poema que é a creação do génio. Quem ama verdadeiramente a natureza pôde percorrer muitas vezes o mesmo sitio, cada dia descobre uma nova belleza. A principio vê-se apenas a magnificência do panorama, depois destaca-se o horisonte, em seguida o solo, até que a variedade das maravilhas torna-se infinita.


Deixe uma resposta


Desenvolvido pela Quanta Comunicação