Isabela Monken Velloso & Frederico Braida (Orgs.) – Perfume, Moda E Cultura

O perfume permeia todos os capítulos deste livro, envolvendo aspectos relevantes no que tange à cultura, religião, comunicação.

Isabela Monken Velloso & Frederico Braida (Orgs.) – Perfume, Moda E Cultura: Estudos Reunidos

Esses dois grandes universos (dos perfumes e da moda) por este livro destacados e postos em convergência, aliados também ao campo do design e da arte, cumprem não apenas um espaço lacunar nas investigações acadêmicas – pouco se tem produzido acerca da relação da cultura do perfume com outras áreas do conhecimento – como também se revelam resultantes da inquietude dos autores aqui envolvidos acerca das técnicas do fazer e do pensar a produção humana do conhecimento, da arte e do design.

As produções bibliográficas em língua portuguesa acerca da cultura do perfume vêm pouco a pouco ganhando algum fôlego, ainda que sejam pontuais os exemplos. Nesse aspecto, cabe destacar a obra Brasilessência, desenvolvida por um dos principais nomes da cultura do perfume no Brasil, Renata Ashcar. Em seu livro, a autora inaugurou, no mercado editorial brasileiro, de forma inovadora, a abordagem do encanto e da beleza da cultura do perfume, sua história no Brasil e no mundo.

Perfume, Moda E Cultura reúne 18 capítulos de 29 autores, os quais abordam, dentre outros assuntos, os aspectos conceituais (históricos, semióticos, comunicacionais e filosóficos) da cultura do perfume e as questões vinculadas aos universos da memória, da publicidade, da criação e da percepção de fragrâncias, da consultoria de imagem, da moda, das artes e do design.

Mediante a diversidade textual, com seus múltiplos enfoques, cabe-nos destacar que compreender a cultura do perfume implica também conhecer a cultura de moda e a relação simbiótica estabelecida entre ambas, atentando para as múltiplas convergências com outros campos do saber como o das artes e o do design.

Vale também ressaltar que o Brasil se configura como um dos principais mercados mundiais no consumo de fragrâncias, chegando mesmo a assumir o primeiro posto por anos consecutivos. Portanto, atentar para o universo dos cheiros e dos perfumes parece-nos um gesto imprescindível para uma nação mundialmente destacada como um dos principais mercados consumidores deste segmento.

O perfume é objeto do aceite das práticas cotidianas brasileiras de relação com o corpo. Em solo nacional, perfumar-se não implica, necessariamente, substituir o odor do corpo por outro, mas, sim, normalmente, prolongar a sensação do banho.


Deixe uma resposta

Isabela Monken Velloso & Frederico Braida (Orgs.) – Perfume, Moda E Cultura

O perfume permeia todos os capítulos deste livro, envolvendo aspectos relevantes no que tange à cultura, religião, comunicação.

Isabela Monken Velloso & Frederico Braida (Orgs.) - Perfume, Moda E Cultura: Estudos Reunidos

Esses dois grandes universos (dos perfumes e da moda) por este livro destacados e postos em convergência, aliados também ao campo do design e da arte, cumprem não apenas um espaço lacunar nas investigações acadêmicas – pouco se tem produzido acerca da relação da cultura do perfume com outras áreas do conhecimento – como também se revelam resultantes da inquietude dos autores aqui envolvidos acerca das técnicas do fazer e do pensar a produção humana do conhecimento, da arte e do design.

As produções bibliográficas em língua portuguesa acerca da cultura do perfume vêm pouco a pouco ganhando algum fôlego, ainda que sejam pontuais os exemplos. Nesse aspecto, cabe destacar a obra Brasilessência, desenvolvida por um dos principais nomes da cultura do perfume no Brasil, Renata Ashcar. Em seu livro, a autora inaugurou, no mercado editorial brasileiro, de forma inovadora, a abordagem do encanto e da beleza da cultura do perfume, sua história no Brasil e no mundo.

Perfume, Moda E Cultura reúne 18 capítulos de 29 autores, os quais abordam, dentre outros assuntos, os aspectos conceituais (históricos, semióticos, comunicacionais e filosóficos) da cultura do perfume e as questões vinculadas aos universos da memória, da publicidade, da criação e da percepção de fragrâncias, da consultoria de imagem, da moda, das artes e do design.

Mediante a diversidade textual, com seus múltiplos enfoques, cabe-nos destacar que compreender a cultura do perfume implica também conhecer a cultura de moda e a relação simbiótica estabelecida entre ambas, atentando para as múltiplas convergências com outros campos do saber como o das artes e o do design.

Vale também ressaltar que o Brasil se configura como um dos principais mercados mundiais no consumo de fragrâncias, chegando mesmo a assumir o primeiro posto por anos consecutivos. Portanto, atentar para o universo dos cheiros e dos perfumes parece-nos um gesto imprescindível para uma nação mundialmente destacada como um dos principais mercados consumidores deste segmento.

O perfume é objeto do aceite das práticas cotidianas brasileiras de relação com o corpo. Em solo nacional, perfumar-se não implica, necessariamente, substituir o odor do corpo por outro, mas, sim, normalmente, prolongar a sensação do banho.


Deixe uma resposta


Desenvolvido pela Quanta Comunicação