Giorgio Agamben – A Linguagem E A Morte: Um Seminário Sobre O Lugar Da Negatividade

Na tradição filosófica ocidental, o homem representa uma ruptura do continuum natural. Como animal falante, habita a clareira em que se abre toda significação, todo dizer; como mortal, encontra sua dimensão mais autêntica na antecipação de sua própria impossibilidade radical. Questionar o lugar e a estrutura desta negatividade constitutiva é ponto de partida para uma compreensão, em toda sua profundidade, da relação essencial estabelecida entre morte e linguagem.


Deixe uma resposta

Giorgio Agamben – A Linguagem E A Morte: Um Seminário Sobre O Lugar Da Negatividade

Na tradição filosófica ocidental, o homem representa uma ruptura do continuum natural. Como animal falante, habita a clareira em que se abre toda significação, todo dizer; como mortal, encontra sua dimensão mais autêntica na antecipação de sua própria impossibilidade radical. Questionar o lugar e a estrutura desta negatividade constitutiva é ponto de partida para uma compreensão, em toda sua profundidade, da relação essencial estabelecida entre morte e linguagem.


Deixe uma resposta


Desenvolvido pela Quanta Comunicação