Fernando Pessoa – Mensagem

Fernando Pessoa – Mensagem

Mensagem é o único livro de Fernando Pessoa – em língua portuguesa – publicado em vida, precisamente um ano antes da sua morte e em circunstâncias que ele próprio reconhece ultrapassarem a sua vontade –
“foi o primeiro livro que consegui, não sei porquê, ter organizado e pronto. Como estava pronto, incitaram-me a que o publicasse: acedi.”

Mensagem vê, assim, a luz do dia a 1 de Dezembro de 1934, exatamente um ano antes da morte do poeta que ocorre a 30 de Novembro de 1935.

Ao longo da sua vida, Pessoa publicou dispersamente os seus poemas em vários jornais e revistas literárias, entre as quais se destaca Orpheu, revista de que foi, juntamente com Mário de Sá-Carneiro e Almada Negreiros, um dos principais impulsionadores.

Mas o prazer de ver o seu nome impresso em capa de livro surge somente numa fase muito tardia da sua vida e em circunstâncias um pouco desfasadas daquele que foi o seu percurso literário.

Apesar de os poemas de Mensagem terem sido escritos ao longo de cerca de vinte e um anos, a sua organização, enquanto produto final, obedece a uma lógica
cuidadosamente estruturada e de acordo com o ciclo da vida: nascimento/crescimento, realização e morte.

Nos poemas de Mensagem há várias referências a reis e rainhas; infantes, regentes, príncipes e navegadores; registros de batalhas e revoluções; mas não existe um enredo, e, neste sentido, as notas que acompanham o texto esclarecem muito dessas passagens históricas.

A primeira parte do livro menciona as origens de Portugal e o início da expansão marítima. A segunda parte é uma alusão clara ao apogeu das grandes viagens e à amplidão marítima. E a terceira concentra-se na figura do rei D. Sebastião e abrange o longo período de decadência que se descortina a partir do seu desaparecimento.

Elaborada ao longo de toda a vida do poeta, Mensagem contém uma dimensão nitidamente universal, centrada na idéia-motriz da condição humana como virtualidade essencial ou potencialidade ilimitada.


Deixe uma resposta

Fernando Pessoa – Mensagem

Fernando Pessoa - Mensagem

Mensagem é o único livro de Fernando Pessoa – em língua portuguesa – publicado em vida, precisamente um ano antes da sua morte e em circunstâncias que ele próprio reconhece ultrapassarem a sua vontade –
“foi o primeiro livro que consegui, não sei porquê, ter organizado e pronto. Como estava pronto, incitaram-me a que o publicasse: acedi.”

Mensagem vê, assim, a luz do dia a 1 de Dezembro de 1934, exatamente um ano antes da morte do poeta que ocorre a 30 de Novembro de 1935.

Ao longo da sua vida, Pessoa publicou dispersamente os seus poemas em vários jornais e revistas literárias, entre as quais se destaca Orpheu, revista de que foi, juntamente com Mário de Sá-Carneiro e Almada Negreiros, um dos principais impulsionadores.

Mas o prazer de ver o seu nome impresso em capa de livro surge somente numa fase muito tardia da sua vida e em circunstâncias um pouco desfasadas daquele que foi o seu percurso literário.

Apesar de os poemas de Mensagem terem sido escritos ao longo de cerca de vinte e um anos, a sua organização, enquanto produto final, obedece a uma lógica
cuidadosamente estruturada e de acordo com o ciclo da vida: nascimento/crescimento, realização e morte.

Nos poemas de Mensagem há várias referências a reis e rainhas; infantes, regentes, príncipes e navegadores; registros de batalhas e revoluções; mas não existe um enredo, e, neste sentido, as notas que acompanham o texto esclarecem muito dessas passagens históricas.

A primeira parte do livro menciona as origens de Portugal e o início da expansão marítima. A segunda parte é uma alusão clara ao apogeu das grandes viagens e à amplidão marítima. E a terceira concentra-se na figura do rei D. Sebastião e abrange o longo período de decadência que se descortina a partir do seu desaparecimento.

Elaborada ao longo de toda a vida do poeta, Mensagem contém uma dimensão nitidamente universal, centrada na idéia-motriz da condição humana como virtualidade essencial ou potencialidade ilimitada.


Deixe uma resposta