Fabiane Santana Previtali & Outros (Orgs.) – A Formação Política Pela Sétima Arte

Esta coletânea consubstancia a trajetória do projeto de pesquisa em interface com o ensino e a extensão Formação Política Pela Sétima Arte.

Fabiane Santana Previtali & Outros (Orgs.) – A Formação Política Pela Sétima Arte: o Cinema Como Prática Pedagógica E De Cidadania

Esta coletânea consubstancia a trajetória do projeto de pesquisa em interface com o ensino e a extensão Formação Política Pela Sétima Arte: o Cinema Como Prática Pedagógica E De Cidadania e traz à luz os resultados de sua mais recente experiência, relativa à Formação Inicial e Continuada de Profissionais da Educação Básica no período 2015-2018.

Os objetivos centrais almejados pelo projeto foram dois. O primeiro diz respeito à contribuição para com a formação ampliada e continua dos profissionais da educação básica, capacitando-os para o uso da linguagem cinematográfica em suas atividades educacionais em seus locais de trabalho.

Nesse ínterim, nosso intuito foi divulgar a Lei 13.006, que resultou do Projeto de Lei (PL 185/08) proposto por Cristovam Buarque e que dispõe sobre a exibição de filmes de produção nacional como componente curricular complementar integrado à proposta pedagógica da escola, sendo a sua exibição obrigatória por, no mínimo, duas horas mensais.

O nosso pressuposto foi o de que a reflexão crítica através da narrativa fílmica possibilita o aprimorando do senso crítico que o sujeito social tem de si mesmo e do meio sociocultural em que vive, num amplo processo educacional, envolvendo educadores e educandos.

Nossa intenção foi, portanto, experimentar, dialogando com os professores da educação básica, metodologias e técnicas que, uma vez sistematizadas, pudessem auxiliá-los no seu cotidiano em sala de aula e na sua interação com os educandos.

O segundo objetivo, correlato a esse, foi o de problematizar a própria produção científica e tecnológica realizada na universidade, trazendo para o centro do debate a formação e o trabalho docente para atuação na educação básica numa perspectiva interdisciplinar junto aos estudantes de licenciatura.

Cabe lembrar que a formação e o trabalho desempenhado pelos docentes da educação básica têm sido atualmente o fulcro das preocupações políticas e sociais não apenas no Brasil, mas no mundo contemporâneo com tem atestado as discussões orientadas pelos Fóruns Mundiais de Educação, sendo o último realizado em 2015.


Deixe uma resposta

Fabiane Santana Previtali & Outros (Orgs.) – A Formação Política Pela Sétima Arte

Esta coletânea consubstancia a trajetória do projeto de pesquisa em interface com o ensino e a extensão Formação Política Pela Sétima Arte.

Fabiane Santana Previtali & Outros (Orgs.) - A Formação Política Pela Sétima Arte: o Cinema Como Prática Pedagógica E De Cidadania

Esta coletânea consubstancia a trajetória do projeto de pesquisa em interface com o ensino e a extensão Formação Política Pela Sétima Arte: o Cinema Como Prática Pedagógica E De Cidadania e traz à luz os resultados de sua mais recente experiência, relativa à Formação Inicial e Continuada de Profissionais da Educação Básica no período 2015-2018.

Os objetivos centrais almejados pelo projeto foram dois. O primeiro diz respeito à contribuição para com a formação ampliada e continua dos profissionais da educação básica, capacitando-os para o uso da linguagem cinematográfica em suas atividades educacionais em seus locais de trabalho.

Nesse ínterim, nosso intuito foi divulgar a Lei 13.006, que resultou do Projeto de Lei (PL 185/08) proposto por Cristovam Buarque e que dispõe sobre a exibição de filmes de produção nacional como componente curricular complementar integrado à proposta pedagógica da escola, sendo a sua exibição obrigatória por, no mínimo, duas horas mensais.

O nosso pressuposto foi o de que a reflexão crítica através da narrativa fílmica possibilita o aprimorando do senso crítico que o sujeito social tem de si mesmo e do meio sociocultural em que vive, num amplo processo educacional, envolvendo educadores e educandos.

Nossa intenção foi, portanto, experimentar, dialogando com os professores da educação básica, metodologias e técnicas que, uma vez sistematizadas, pudessem auxiliá-los no seu cotidiano em sala de aula e na sua interação com os educandos.

O segundo objetivo, correlato a esse, foi o de problematizar a própria produção científica e tecnológica realizada na universidade, trazendo para o centro do debate a formação e o trabalho docente para atuação na educação básica numa perspectiva interdisciplinar junto aos estudantes de licenciatura.

Cabe lembrar que a formação e o trabalho desempenhado pelos docentes da educação básica têm sido atualmente o fulcro das preocupações políticas e sociais não apenas no Brasil, mas no mundo contemporâneo com tem atestado as discussões orientadas pelos Fóruns Mundiais de Educação, sendo o último realizado em 2015.


Deixe uma resposta