Maria Lucivane De Oliveira Morais – Do Espaço

Este livro analisa como a filosofia de Heidegger traz real contributo ao pensamento que considera o espaço a partir de bases fenomenológico-existenciais

Maria Lucivane De Oliveira Morais – Do Espaço: Uma Interpretação Fenomenológico-Existencial A Partir De ‘Ser E Tempo’, De Heidegger

Este livro tem por objetivo analisar como a filosofia de Martin Heidegger traz real contributo ao pensamento que considera o espaço a partir de bases fenomenológico-existenciais.

A obra de Heidegger trava um embate direto com a compreensão tradicional trazida pelas ontologias regionais e ciências empíricas (especialmente, a Geografia que o define por meio de dimensões físicas, pelo modo como é utilizado/ocupado pelo homem que nele habita, atribuindo-lhe usos e valores).

Embora ao longo de sua obra o filósofo reconheça a coerência de tais definições, sua contribuição centra-se em mostrar que o espaço deve ser compreendido, primariamente, como uma experiência constitutiva da existência humana em face de sua situação de ser-aí (Dasein).

A metodologia adotada baseou-se em pesquisa bibliográfica em Ser e tempo (1927), em comentadores e outros autores, permitindo apresentar as considerações dessa obra em duas partes.

Na primeira, aparecem importantes conceitos que permitiram situar o estudo proposto em relação a Ser e tempo, compreendendo o projeto heideggeriano e o percurso necessário para que fosse possível recolocar a pergunta pelo ser, ou melhor, pelo sentido do ser que fora trivializado pela tradição, assim como, os subsídios necessários para uma compreensão reapropriada de espaço.

Na segunda parte, discutiu-se sobre o modo como o espaço foi tratado à luz das compreensões possibilitadas pela fenomenologia-existencial de Martin Heidegger.

Para isso, foi necessária uma reconstrução do conceito de espaço, tratado objetivamente pelas ontologias regionais, especialmente, pela Geografia que o tomou para si ao separar-se da Filosofia no decorrer do século XIX quando se constituiu como ciência autônoma, entretanto, ainda requer auxílio de filósofos para tecer suas bases conceituais, o que justifica a elaboração dessa obra na qual foram apresentadas as importantes contribuições de Martin Heidegger.


Deixe uma resposta

Maria Lucivane De Oliveira Morais – Do Espaço

Este livro analisa como a filosofia de Heidegger traz real contributo ao pensamento que considera o espaço a partir de bases fenomenológico-existenciais

Maria Lucivane De Oliveira Morais - Do Espaço: Uma Interpretação Fenomenológico-Existencial A Partir De ‘Ser E Tempo’, De Heidegger

Este livro tem por objetivo analisar como a filosofia de Martin Heidegger traz real contributo ao pensamento que considera o espaço a partir de bases fenomenológico-existenciais.

A obra de Heidegger trava um embate direto com a compreensão tradicional trazida pelas ontologias regionais e ciências empíricas (especialmente, a Geografia que o define por meio de dimensões físicas, pelo modo como é utilizado/ocupado pelo homem que nele habita, atribuindo-lhe usos e valores).

Embora ao longo de sua obra o filósofo reconheça a coerência de tais definições, sua contribuição centra-se em mostrar que o espaço deve ser compreendido, primariamente, como uma experiência constitutiva da existência humana em face de sua situação de ser-aí (Dasein).

A metodologia adotada baseou-se em pesquisa bibliográfica em Ser e tempo (1927), em comentadores e outros autores, permitindo apresentar as considerações dessa obra em duas partes.

Na primeira, aparecem importantes conceitos que permitiram situar o estudo proposto em relação a Ser e tempo, compreendendo o projeto heideggeriano e o percurso necessário para que fosse possível recolocar a pergunta pelo ser, ou melhor, pelo sentido do ser que fora trivializado pela tradição, assim como, os subsídios necessários para uma compreensão reapropriada de espaço.

Na segunda parte, discutiu-se sobre o modo como o espaço foi tratado à luz das compreensões possibilitadas pela fenomenologia-existencial de Martin Heidegger.

Para isso, foi necessária uma reconstrução do conceito de espaço, tratado objetivamente pelas ontologias regionais, especialmente, pela Geografia que o tomou para si ao separar-se da Filosofia no decorrer do século XIX quando se constituiu como ciência autônoma, entretanto, ainda requer auxílio de filósofos para tecer suas bases conceituais, o que justifica a elaboração dessa obra na qual foram apresentadas as importantes contribuições de Martin Heidegger.


Deixe uma resposta