Étienne De La Boétie – Discurso Da Servidão Voluntária

No Discurso Da Servidão Voluntária, La Boétie afirma que é possível resistir à opressão sem recorrer à violência - a tirania se destrói sozinha quando os indivíduos se recusam a consentir com sua própria escravidão.

Étienne De La Boétie – Discurso Da Servidão Voluntária

Étienne de La Boétie morreu aos 33 anos de idade, em 1563. Deixou sonetos, traduções de Xenofonte e Plutarco e o Discurso Da Servidão Voluntária, o primeiro e um dos mais vibrantes hinos à liberdade dentre os que já se escreveram.

Toda a sua obra ficou como legado ao filósofo Montaigne, seu amigo pessoal que, diante de uma primeira publicação — pirata — do Discurso Da Servidão Voluntária em 1571, viu-se obrigado a se pronunciar a respeito da Obra, que procura minimizar em seus efeitos apodando-lhe o epíteto de ―obra de infância e ― mero exercício intelectual‖.

Montaigne, com todo o seu inegável brilho intelectual, era um Homem do Estado e disso não escapava.

Entre muitos pontos importantes e relevantes do Discurso Da Servidão Voluntáriaem si, ressalta-se:
— O poder que um só homem exerce sobre os outros é ilegítimo.
— A preferência pela república em detrimento da monarquia.
— As crenças religiosas são frequentemente usadas pelas monarquias para manter o povo sob sujeição e jugo.
— Étienne de La Boétie afirma no Discurso Da Servidão Voluntáriaa liberdade e a igualdade de todos os homens na dimensão política.
— Evidencia, pela primeira vez na história, a força da opinião pública.
— Repele todas as formas de demagogia.
— Incursionando pioneiramente pelo que mais tarde ficará conhecido como psicologia de massas, informa da irracionalidade da servidão, desde o título provocativo da Obra, indicada como uma espécie de vício, de doença coletiva.

O ser humano encontra-se em amarras auto-infligidas por toda a parte. Como dizia Manuel J. Gomes, importante tradutor de La Boétie para o português: “Se em 1600 era tarefa difícil escrever um prefácio a La Boétie, hoje não é mais fácil. Hoje como nos tempos de La Boétie e Montaigne, a alienação é demasiado doce (como um refrigerante) e a liberdade demasiado amarga, porque está demasiado próxima da solidão. E da loucura.”


Uma resposta

  1. Essa atualização no layout do site com as informações direto na página de acesso ficaram ótimas, parabéns

Deixe uma resposta

Étienne De La Boétie – Discurso Da Servidão Voluntária

No Discurso Da Servidão Voluntária, La Boétie afirma que é possível resistir à opressão sem recorrer à violência - a tirania se destrói sozinha quando os indivíduos se recusam a consentir com sua própria escravidão.

Étienne De La Boétie - Discurso Da Servidão Voluntária

Étienne de La Boétie morreu aos 33 anos de idade, em 1563. Deixou sonetos, traduções de Xenofonte e Plutarco e o Discurso Da Servidão Voluntária, o primeiro e um dos mais vibrantes hinos à liberdade dentre os que já se escreveram.

Toda a sua obra ficou como legado ao filósofo Montaigne, seu amigo pessoal que, diante de uma primeira publicação — pirata — do Discurso Da Servidão Voluntária em 1571, viu-se obrigado a se pronunciar a respeito da Obra, que procura minimizar em seus efeitos apodando-lhe o epíteto de ―obra de infância e ― mero exercício intelectual‖.

Montaigne, com todo o seu inegável brilho intelectual, era um Homem do Estado e disso não escapava.

Entre muitos pontos importantes e relevantes do Discurso Da Servidão Voluntáriaem si, ressalta-se:
— O poder que um só homem exerce sobre os outros é ilegítimo.
— A preferência pela república em detrimento da monarquia.
— As crenças religiosas são frequentemente usadas pelas monarquias para manter o povo sob sujeição e jugo.
— Étienne de La Boétie afirma no Discurso Da Servidão Voluntáriaa liberdade e a igualdade de todos os homens na dimensão política.
— Evidencia, pela primeira vez na história, a força da opinião pública.
— Repele todas as formas de demagogia.
— Incursionando pioneiramente pelo que mais tarde ficará conhecido como psicologia de massas, informa da irracionalidade da servidão, desde o título provocativo da Obra, indicada como uma espécie de vício, de doença coletiva.

O ser humano encontra-se em amarras auto-infligidas por toda a parte. Como dizia Manuel J. Gomes, importante tradutor de La Boétie para o português: "Se em 1600 era tarefa difícil escrever um prefácio a La Boétie, hoje não é mais fácil. Hoje como nos tempos de La Boétie e Montaigne, a alienação é demasiado doce (como um refrigerante) e a liberdade demasiado amarga, porque está demasiado próxima da solidão. E da loucura."


Uma resposta

  1. Essa atualização no layout do site com as informações direto na página de acesso ficaram ótimas, parabéns

Deixe uma resposta