Cristiano Nicolini & Outras (Orgs.) – Ensino De História Em Tempos Híbridos

Ensino De História Em Tempos Híbridos traz vivências escolares que ampliam os debates em torno do saber histórico em sala de aula.

Cristiano Nicolini, Kênia Érica Gusmão Medeiros & Patrícia Maria Jesus Da Silva (Orgs.) – Ensino De História Em Tempos Híbridos: Anais Da I Jornada Do GT Ensino De História E Educação ANPUH GO

O Grupo de Trabalho em Ensino de História e Educação da Associação Nacional de História, seção Goiás (ANPUH-GO), carinhosamente chamado de “GT de Ensino de História” na correria dos contatos fortuitos das redes sociais, foi institucionalizado em 20 de junho de 2012. Um registro de nascimento mais acadêmico, impossível: está lá, literalmente, nos anais da história.

Falamos do X Encontro Estadual de História da ANPUH-GO, realizado entre 18 e 21 de junho daquele ano, que trouxe por tema “Didática da História: pesquisar, explicar, ensinar” voltando toda a sua programação para o ensino e aprendizagem da História.

Pela primeira vez, um dos maiores eventos científicos de História, realizado no estado de Goiás, colocou suas luzes, energia e recursos financeiros sobre a reflexão didática, aquela dimensão implícita ao ofício da história que por muito tempo foi obnubilada pelo (em)canto bacharelesco da profissão.

Encanto hipnotizador que expulsou para os reinos distantes das Faculdades de Educação, toda a reflexão sistemática sobre o ensino e aprendizagem da História. Nas Faculdades de História, por sua vez, pairava totalitária a fumaça inebriadora que fazia crer que as áreas douradas pela fama, prestígio, poder e recursos financeiros eram constituídas pelas pesquisas sobre a Antiguidade, o Medievo ou a Teoria da História (afetos todos, devidamente, eurocentrados).

Assim aconteceu na década em que a história teria morrido: os anos noventa, aqueles que viram a União Soviética se esfacelar e registraram o nascimento da rede mundial de computadores pessoais.

Com base neste precioso conjunto de textos que apresentam as pesquisas e relatos de experiências, defendemos a relevância de se promover eventos dessa natureza para fortalecer as redes entre os profissionais que atuam na área e colaborar na resistência contra as vulnerabilidades do ensino de História.

Outrossim, acreditamos que a divulgação dessas investigações e vivências escolares ampliem os debates em torno do saber histórico em sala de aula na Educação Básica, Graduação e Pós-graduação.


Deixe uma resposta

Cristiano Nicolini & Outras (Orgs.) – Ensino De História Em Tempos Híbridos

Ensino De História Em Tempos Híbridos traz vivências escolares que ampliam os debates em torno do saber histórico em sala de aula.

Cristiano Nicolini, Kênia Érica Gusmão Medeiros & Patrícia Maria Jesus Da Silva (Orgs.) - Ensino De História Em Tempos Híbridos: Anais Da I Jornada Do GT Ensino De História E Educação ANPUH GO

O Grupo de Trabalho em Ensino de História e Educação da Associação Nacional de História, seção Goiás (ANPUH-GO), carinhosamente chamado de “GT de Ensino de História” na correria dos contatos fortuitos das redes sociais, foi institucionalizado em 20 de junho de 2012. Um registro de nascimento mais acadêmico, impossível: está lá, literalmente, nos anais da história.

Falamos do X Encontro Estadual de História da ANPUH-GO, realizado entre 18 e 21 de junho daquele ano, que trouxe por tema “Didática da História: pesquisar, explicar, ensinar” voltando toda a sua programação para o ensino e aprendizagem da História.

Pela primeira vez, um dos maiores eventos científicos de História, realizado no estado de Goiás, colocou suas luzes, energia e recursos financeiros sobre a reflexão didática, aquela dimensão implícita ao ofício da história que por muito tempo foi obnubilada pelo (em)canto bacharelesco da profissão.

Encanto hipnotizador que expulsou para os reinos distantes das Faculdades de Educação, toda a reflexão sistemática sobre o ensino e aprendizagem da História. Nas Faculdades de História, por sua vez, pairava totalitária a fumaça inebriadora que fazia crer que as áreas douradas pela fama, prestígio, poder e recursos financeiros eram constituídas pelas pesquisas sobre a Antiguidade, o Medievo ou a Teoria da História (afetos todos, devidamente, eurocentrados).

Assim aconteceu na década em que a história teria morrido: os anos noventa, aqueles que viram a União Soviética se esfacelar e registraram o nascimento da rede mundial de computadores pessoais.

Com base neste precioso conjunto de textos que apresentam as pesquisas e relatos de experiências, defendemos a relevância de se promover eventos dessa natureza para fortalecer as redes entre os profissionais que atuam na área e colaborar na resistência contra as vulnerabilidades do ensino de História.

Outrossim, acreditamos que a divulgação dessas investigações e vivências escolares ampliem os debates em torno do saber histórico em sala de aula na Educação Básica, Graduação e Pós-graduação.


Deixe uma resposta