Ana Maria Jacó-Vilela , Antônio Carlos Cerezzo & Heliana De Barros Conde Rodrigues (Orgs.) – Clio-Psyché Hoje: Fazeres E Dizeres Psi Na História Do Brasil

A coletânea de textos que o leitor tem em mãos possui sua gênese nos trabalhos apresentados no II Encontro Clio-Psyché —Fazeres e dizeres Psi na história do Brasil—, realizado na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) em novembro de 1999.
Na passagem da oralidade à escritura, contudo, ganharam eles nuances originais, referências precisas e um cuidado estético que, se de forma alguma está ausente da palavra falada, tem determinadas particularidades na escrita, em função de sua confortável (e perigosa) fixidez.
Neste sentido, a forma de organização dos trabalhos também é nova e se reflete nos títulos das seis seções que os reagrupam em temáticas que julgamos capazes de dimensionar o campo problemático dos saberes e práticas psi no período focalizado —no caso, a contemporaneidade—, por nós datado, mediante um “arbitrário refletido”, como tendo início nos anos 50 e 60.


Deixe uma resposta

Ana Maria Jacó-Vilela , Antônio Carlos Cerezzo & Heliana De Barros Conde Rodrigues (Orgs.) – Clio-Psyché Hoje: Fazeres E Dizeres Psi Na História Do Brasil

A coletânea de textos que o leitor tem em mãos possui sua gênese nos trabalhos apresentados no II Encontro Clio-Psyché —Fazeres e dizeres Psi na história do Brasil—, realizado na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) em novembro de 1999.
Na passagem da oralidade à escritura, contudo, ganharam eles nuances originais, referências precisas e um cuidado estético que, se de forma alguma está ausente da palavra falada, tem determinadas particularidades na escrita, em função de sua confortável (e perigosa) fixidez.
Neste sentido, a forma de organização dos trabalhos também é nova e se reflete nos títulos das seis seções que os reagrupam em temáticas que julgamos capazes de dimensionar o campo problemático dos saberes e práticas psi no período focalizado —no caso, a contemporaneidade—, por nós datado, mediante um “arbitrário refletido”, como tendo início nos anos 50 e 60.


Deixe uma resposta


Desenvolvido pela Quanta Comunicação