Ana Cristina Batista Dos Santos & Outras (Orgs.) – A Psicodinâmica Do Trabalho Em Tempos De Capitalismo Flexível

O elemento comum a todas as pesquisas é a base teórica da Psicodinâmica do Trabalho, em interface com diversos arranjos metodológicos.

Ana Cristina Batista Dos Santos, Ana Raquel Silva Rocha & Ana Zenilce Moreira (Orgs.) – A Psicodinâmica Do Trabalho Em Tempos De Capitalismo Flexível: Estudos Nos Contextos De Trabalho Público, Privado E Autônomo

A obra aborda a complexa temática dos desafios do mundo do trabalho em tempos de capitalismo flexível, tendo como locus das pesquisas a cidade de Fortaleza, capital do emblemático Estado do Ceará; sendo o mais amplo conjunto de estudos fundamentados na Psicodinâmica do Trabalho desenvolvido neste Estado, presta uma importante contribuição para a expansão dos estudos no Nordeste brasileiro.

A Psicodinâmica Do Trabalho Em Tempos De Capitalismo Flexível contribui para a ampliação da rede de estudos brasileiros inspirados na abordagem dejouriana, que está presente em todas as regiões do Brasil.

O livro parte de um projeto de pesquisa abrangente e constitui-se como uma robusta coletânea de relatos de pesquisas empíricas, incluindo trabalhadores do setor público, de empresas privadas, de cooperativas e trabalhadores autônomos. Alcança e analisa situações de trabalho muito distintas, tendo como local de trabalho universidades, bancos, praças e ruas.

O elemento comum a todas as pesquisas é a base teórica da Psicodinâmica do Trabalho, em interface com diversos arranjos metodológicos, atendendo à singularidade das diferentes pesquisas, que elegeram temáticas complexas, buscando compreender as diferentes facetas do capitalismo flexível e sua incidência sobre a subjetividade dos trabalhadores e trabalhadoras de diversas organizações.

Sendo a Psicodinâmica do Trabalho situada por seu criador como uma teoria crítica, as pesquisas evidenciam as contradições, a sobrexploração e a sobrecarga a que estão expostos muitos trabalhadores. As situações de incertezas e vulnerabilidade se intensificam à medida em que avança a lógica do “capitalismo flexível”, expondo a face real da desregulamentação e perda de direitos.

Mas os trabalhadores resistem, buscam alternativas, desenvolvem diferentes formas de subverter o sofrimento e buscar no trabalho um sentido para a vida, como é o caso de idosos que preferem o trabalho à sua casa, depois de aposentados.


Deixe uma resposta

Ana Cristina Batista Dos Santos & Outras (Orgs.) – A Psicodinâmica Do Trabalho Em Tempos De Capitalismo Flexível

O elemento comum a todas as pesquisas é a base teórica da Psicodinâmica do Trabalho, em interface com diversos arranjos metodológicos.

Ana Cristina Batista Dos Santos, Ana Raquel Silva Rocha & Ana Zenilce Moreira (Orgs.) - A Psicodinâmica Do Trabalho Em Tempos De Capitalismo Flexível: Estudos Nos Contextos De Trabalho Público, Privado E Autônomo

A obra aborda a complexa temática dos desafios do mundo do trabalho em tempos de capitalismo flexível, tendo como locus das pesquisas a cidade de Fortaleza, capital do emblemático Estado do Ceará; sendo o mais amplo conjunto de estudos fundamentados na Psicodinâmica do Trabalho desenvolvido neste Estado, presta uma importante contribuição para a expansão dos estudos no Nordeste brasileiro.

A Psicodinâmica Do Trabalho Em Tempos De Capitalismo Flexível contribui para a ampliação da rede de estudos brasileiros inspirados na abordagem dejouriana, que está presente em todas as regiões do Brasil.

O livro parte de um projeto de pesquisa abrangente e constitui-se como uma robusta coletânea de relatos de pesquisas empíricas, incluindo trabalhadores do setor público, de empresas privadas, de cooperativas e trabalhadores autônomos. Alcança e analisa situações de trabalho muito distintas, tendo como local de trabalho universidades, bancos, praças e ruas.

O elemento comum a todas as pesquisas é a base teórica da Psicodinâmica do Trabalho, em interface com diversos arranjos metodológicos, atendendo à singularidade das diferentes pesquisas, que elegeram temáticas complexas, buscando compreender as diferentes facetas do capitalismo flexível e sua incidência sobre a subjetividade dos trabalhadores e trabalhadoras de diversas organizações.

Sendo a Psicodinâmica do Trabalho situada por seu criador como uma teoria crítica, as pesquisas evidenciam as contradições, a sobrexploração e a sobrecarga a que estão expostos muitos trabalhadores. As situações de incertezas e vulnerabilidade se intensificam à medida em que avança a lógica do “capitalismo flexível”, expondo a face real da desregulamentação e perda de direitos.

Mas os trabalhadores resistem, buscam alternativas, desenvolvem diferentes formas de subverter o sofrimento e buscar no trabalho um sentido para a vida, como é o caso de idosos que preferem o trabalho à sua casa, depois de aposentados.


Deixe uma resposta


Desenvolvido pela Quanta Comunicação