Aline Strelow – Análise Global De Processos Jornalísticos: Uma Proposta Metodológica

Ainda que não possa acessar a realidade propriamente dita, ou ontológica, o homem esforça-se em buscar um desenho o mais próximo possível dessa realidade. Quando os sujeitos do conhecimento transformam a realidade ontológica em objeto passível de conhecimento, inevitavelmente reconstroem essa realidade, independente da área na qual empreendem suas pesquisas, como explica Sousa. Diante da inacessibilidade da verdade ontológica, o ser humano tem de se contentar com a verdade fenomenológica, como pontua Rodrigues dos Santos.
A verdade ontológica torna-se compreensível em sua versão fenomenológica através dos discursos, partilháveis em patamares de intersubjetividade sempre que o objeto, de alguma maneira, sobrepõe-se aos diferentes sujeitos que o conhecem, ou seja, quando há objetividade, como explica Sousa. Para ele, o discurso científico tem sempre uma intenção de verdade, uma intenção de compreensão e de conhecimento do objeto, um compromisso com a realidade, ainda que fique no nível dos fenômenos e não dos nômenos. Assim, os métodos mais precisos e fiáveis de aproximação do sujeito à realidade são os métodos científicos e o conhecimento mais fiel à realidade fenomenológica perceptível é o conhecimento científico.


Deixe uma resposta

Aline Strelow – Análise Global De Processos Jornalísticos: Uma Proposta Metodológica

Ainda que não possa acessar a realidade propriamente dita, ou ontológica, o homem esforça-se em buscar um desenho o mais próximo possível dessa realidade. Quando os sujeitos do conhecimento transformam a realidade ontológica em objeto passível de conhecimento, inevitavelmente reconstroem essa realidade, independente da área na qual empreendem suas pesquisas, como explica Sousa. Diante da inacessibilidade da verdade ontológica, o ser humano tem de se contentar com a verdade fenomenológica, como pontua Rodrigues dos Santos.
A verdade ontológica torna-se compreensível em sua versão fenomenológica através dos discursos, partilháveis em patamares de intersubjetividade sempre que o objeto, de alguma maneira, sobrepõe-se aos diferentes sujeitos que o conhecem, ou seja, quando há objetividade, como explica Sousa. Para ele, o discurso científico tem sempre uma intenção de verdade, uma intenção de compreensão e de conhecimento do objeto, um compromisso com a realidade, ainda que fique no nível dos fenômenos e não dos nômenos. Assim, os métodos mais precisos e fiáveis de aproximação do sujeito à realidade são os métodos científicos e o conhecimento mais fiel à realidade fenomenológica perceptível é o conhecimento científico.


Deixe uma resposta


Desenvolvido pela Quanta Comunicação