Alexander Meireles Da Silva & Luciana Colucci (Orgs.) – Manifestações Do Monstruoso

Este livro reúne os textos que foram apresentados no Simpósio Manifestações Do Monstruoso: A Subversão Das Fronteiras De Gêneros Literários

Alexander Meireles Da Silva & Luciana Colucci (Orgs.) – Manifestações Do Monstruoso: A Subversão Das Fronteiras De Gêneros Literários

Este livro reúne os textos que foram apresentados no Simpósio Manifestações Do Monstruoso: A Subversão Das Fronteiras De Gêneros Literários, que compôs, ao lado de outros simpósios, a programação do IV Congresso Internacional “Vertentes do Insólito Ficcional”, VII Encontro Nacional “O Insólito como Questão na Narrativa Ficcional”, XV Painel “Reflexões sobre o insólito na narrativa ficcional”.

O evento foi realizado no ano de 2018 no Instituto de Letras da Universidade do Estado do Rio de Janeiro com o tema “Monstruosidades Ficcionais”, celebrando, ao longo de seus três dias de realização, os 200 anos do romance Frankenstein, de Mary Shelley.

O simpósio teve como objetivo se colocar como um local de discussão das fronteiras do Fantástico, ou melhor, das subversões que marcam o Fantástico na sua perspectiva modal e que contemplam narrativas diversas, tais como, apenas para citar algumas, a Ficção Científica, o Gótico, a Fantasia, o Realismo Mágico, o mito e a lenda.

Essa subversão de fato é uma das características do Fantástico observada em diferentes momentos. O Gótico de O Castelo de Otranto, por exemplo, se situa entre a tradição do romance e a inovação do novel. A Ficção Científica em Frankenstein herda do Gótico o manejo do elemento insólito como disruptor da ordem, algo largamente desenvolvido nas décadas seguintes no Gótico vitoriano.

A Metamorfose, de Franz Kafka quebra a categorização todoroviana anunciando as transformações do insólito dentro da Modernidade. Contexto este que também fomentou o Weird fiction finissecular explorado por H. P. Lovecraft nas suas narrativas de Horror cósmico, mesclando Ficção Científica e Horror.

Assim como a criatura de Frankenstein, construída a partir de pedaços distintos de pessoas, o Fantástico também continuou com essa costura entre vertentes do insólito ficcional no século 20 por meio tanto do New Weird de raízes decadentistas e weird quanto do Slipstream, de origem no campo da ficção científica norte-americana e que traz aproximações estruturais com o Realismo Mágico latino-americano.


Deixe uma resposta

Alexander Meireles Da Silva & Luciana Colucci (Orgs.) – Manifestações Do Monstruoso

Este livro reúne os textos que foram apresentados no Simpósio Manifestações Do Monstruoso: A Subversão Das Fronteiras De Gêneros Literários

Alexander Meireles Da Silva & Luciana Colucci (Orgs.) - Manifestações Do Monstruoso: A Subversão Das Fronteiras De Gêneros Literários

Este livro reúne os textos que foram apresentados no Simpósio Manifestações Do Monstruoso: A Subversão Das Fronteiras De Gêneros Literários, que compôs, ao lado de outros simpósios, a programação do IV Congresso Internacional “Vertentes do Insólito Ficcional”, VII Encontro Nacional “O Insólito como Questão na Narrativa Ficcional”, XV Painel “Reflexões sobre o insólito na narrativa ficcional”.

O evento foi realizado no ano de 2018 no Instituto de Letras da Universidade do Estado do Rio de Janeiro com o tema “Monstruosidades Ficcionais”, celebrando, ao longo de seus três dias de realização, os 200 anos do romance Frankenstein, de Mary Shelley.

O simpósio teve como objetivo se colocar como um local de discussão das fronteiras do Fantástico, ou melhor, das subversões que marcam o Fantástico na sua perspectiva modal e que contemplam narrativas diversas, tais como, apenas para citar algumas, a Ficção Científica, o Gótico, a Fantasia, o Realismo Mágico, o mito e a lenda.

Essa subversão de fato é uma das características do Fantástico observada em diferentes momentos. O Gótico de O Castelo de Otranto, por exemplo, se situa entre a tradição do romance e a inovação do novel. A Ficção Científica em Frankenstein herda do Gótico o manejo do elemento insólito como disruptor da ordem, algo largamente desenvolvido nas décadas seguintes no Gótico vitoriano.

A Metamorfose, de Franz Kafka quebra a categorização todoroviana anunciando as transformações do insólito dentro da Modernidade. Contexto este que também fomentou o Weird fiction finissecular explorado por H. P. Lovecraft nas suas narrativas de Horror cósmico, mesclando Ficção Científica e Horror.

Assim como a criatura de Frankenstein, construída a partir de pedaços distintos de pessoas, o Fantástico também continuou com essa costura entre vertentes do insólito ficcional no século 20 por meio tanto do New Weird de raízes decadentistas e weird quanto do Slipstream, de origem no campo da ficção científica norte-americana e que traz aproximações estruturais com o Realismo Mágico latino-americano.


Deixe uma resposta


Desenvolvido pela Quanta Comunicação