Adalene Ferreira Figueiredo Da Silva & Outras (Orgs.) – Gênero E Direitos Humanos

Gênero E Direitos Humanos reflete sobre esses temas complexos, instigantes e necessários não apenas ao Direito, mas à toda sociedade.

Adalene Ferreira Figueiredo Da Silva, Carmen Hein De Campos, Jacqueline Padão & Paula Franciele Da Silva (Orgs.) – Gênero E Direitos Humanos: Perspectivas Múltiplas

A inclusão dos direitos humanos das mulheres na agenda internacional é fruto de uma intensa luta de movimentos feministas e das mulheres. No entanto, os direitos humanos das mulheres não são uma gramática unívoca.

Por isso, a educação em direitos humanos é tarefa urgente e compartilhar experiências do ensino dos direitos humanos na educação superior nos ajuda a (re)pensar como esse ensino tem sido realizado. Por outro lado, a educação em direitos humanos também tem revelado, tanto do ponto de vista prático quanto teórico, tensões, pois nem todos os movimentos sociais incorporam a categoria gênero e nem sempre a categoria gênero incorpora raça e classe.

Por isso, desde os anos oitenta feministas negras pontuam a necessidade de olhar os direitos humanos das mulheres desde uma perspectiva interseccional e corpos dissidentes reclamam consideração e não a patologização e a padronização realizadas pelas ciências, inclusive a jurídica.

Nesse sentido, o Direito tem sido utilizado para regular e oprimir corpos dissidentes, negros e pobres. A opressão sobre os corpos femininos e feminizados negros, trans e interssex, por exemplo, pode-se dar pela força coercitiva para normalizar, para negar sua existência jurídica e para mutilar reprodutivamente.

O sistema de justiça criminal tem sido instrumento do juvenicídio, especialmente contra corpos negros na insana e falida “guerra contra as drogas” e do transfeminicídio, negligenciado e ocultado.

Gênero E Direitos Humanos: Perspectivas Múltiplas convida as leitoras e leitores a refletirem conosco sobre esses temas complexos, instigantes e necessários não apenas ao Direito, mas à toda sociedade. Pensar as relações de gênero, poder e violência e suas implicações no campo dos direitos humanos é um caminho que convida a desestabilizar as estruturas de poder que contribuem para a manutenção das desigualdades sociais, culturais e econômicas.

Romper com o coro dos contentes é um dos papéis da pesquisa acadêmica comprometida com a justiça social e a democracia.

Clique para
Baixar o PDF

Deixe uma resposta

Adalene Ferreira Figueiredo Da Silva & Outras (Orgs.) – Gênero E Direitos Humanos

Gênero E Direitos Humanos reflete sobre esses temas complexos, instigantes e necessários não apenas ao Direito, mas à toda sociedade.

Adalene Ferreira Figueiredo Da Silva, Carmen Hein De Campos, Jacqueline Padão & Paula Franciele Da Silva (Orgs.) - Gênero E Direitos Humanos: Perspectivas Múltiplas

A inclusão dos direitos humanos das mulheres na agenda internacional é fruto de uma intensa luta de movimentos feministas e das mulheres. No entanto, os direitos humanos das mulheres não são uma gramática unívoca.

Por isso, a educação em direitos humanos é tarefa urgente e compartilhar experiências do ensino dos direitos humanos na educação superior nos ajuda a (re)pensar como esse ensino tem sido realizado. Por outro lado, a educação em direitos humanos também tem revelado, tanto do ponto de vista prático quanto teórico, tensões, pois nem todos os movimentos sociais incorporam a categoria gênero e nem sempre a categoria gênero incorpora raça e classe.

Por isso, desde os anos oitenta feministas negras pontuam a necessidade de olhar os direitos humanos das mulheres desde uma perspectiva interseccional e corpos dissidentes reclamam consideração e não a patologização e a padronização realizadas pelas ciências, inclusive a jurídica.

Nesse sentido, o Direito tem sido utilizado para regular e oprimir corpos dissidentes, negros e pobres. A opressão sobre os corpos femininos e feminizados negros, trans e interssex, por exemplo, pode-se dar pela força coercitiva para normalizar, para negar sua existência jurídica e para mutilar reprodutivamente.

O sistema de justiça criminal tem sido instrumento do juvenicídio, especialmente contra corpos negros na insana e falida “guerra contra as drogas” e do transfeminicídio, negligenciado e ocultado.

Gênero E Direitos Humanos: Perspectivas Múltiplas convida as leitoras e leitores a refletirem conosco sobre esses temas complexos, instigantes e necessários não apenas ao Direito, mas à toda sociedade. Pensar as relações de gênero, poder e violência e suas implicações no campo dos direitos humanos é um caminho que convida a desestabilizar as estruturas de poder que contribuem para a manutenção das desigualdades sociais, culturais e econômicas.

Romper com o coro dos contentes é um dos papéis da pesquisa acadêmica comprometida com a justiça social e a democracia.

Clique para
Baixar o PDF

Deixe uma resposta


Desenvolvido pela Quanta Comunicação