Eduardo Ferreira Chagas & Renato Almeida De Oliveira – Consciência, Natureza E Crítica Social Em Hegel, Feuerbach E Marx

Em uma tentativa de trazer melhor explanação a respeito dos conceitos de consciência, natureza e uma crítica social, os autores Eduardo Ferreira Chagas e Renato Almeida de Oliveira transitam nas leituras dos clássicos entre Hegel, Feuerbach e Marx, abordando assim, direta ou indiretamente, assuntos como religião, fenomenologia, moral, ética, antropologia, ciências sociais etc.

Eduardo Ferreira Chagas é graduado em Filosofia pela Universidade Estadual do Ceará (UECE, 1989), Mestrado em Filosofia pela Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (FAFICH) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG, 1993) e Doutorado em Filosofia pela Universität von Kassel (KASSEL, ALEMANHA, 2002).

É professor efetivo (associado) do Curso de Filosofia e do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Universidade Federal do Ceará (UFC) e professor colaborador do Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira da FACED – UFC. Coordenador do Grupo de Estudos Marxistas – GEM –, vinculado ao Eixo Marxismo, Teoria Crítica e Filosofia da Educação, e ao Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira da FACED – UFC. Orientador do Programa Jovens Talentos/CNPQ.

Atualmente, é Pesquisador Bolsista de Produtividade do CNPQ, é membro da Internationale Gesellschaft der Feuerbach-Forscher (Sociedade Internacional Feuerbach) e dedica suas pesquisas ao estudo da filosofia política, da filosofia de Hegel, do Idealismo Alemão e de seus críticos Feuerbach, Marx, Adorno e Habermas.

Renato Almeida de Oliveira é Doutor em Filosofia pela Universidade Federal do Ceará. Professor Adjunto do Curso de Filosofia da Universidade Estadual Vale do Acaraú (Sobral – Ce.).

Coordenador do Grupo de Estudos e Pesquisas em Filosofia e Teoria Política e Social (GEPPS/UVA). Memebro do Grupo de Estudos Marxistas (GEM/UFC). Dedica suas pesquisa sobre a relação entre política e religião, enfocando a questão da secularização, na esteira de Marx e da tradição marxista.

Deixe uma resposta