A Sedução Da Leitura: Livros, Leitores E História Cultural (Paraná 1880-1930) – O prazer derivado da leitura é diferente temporal e espacialmente, mas há inquestionavelmente prazer na leitura, quaisquer que tenham sido suas origens.
Alguns historiadores já se questionaram quanto a suas leituras e como elas moldaram seus trabalhos.
Jacques Le Goff sentiu aproximando-se da Idade Média ao ler, na adolescência, os romances de Walter Scott: “Li muitos romances de sua autoria, mas a obra que mais me influenciou foi Ivanhoe […]”.
Nas palavras de René Remond, “se se investigassem as origens da vocação dos historiadores, aposto que se encontraria, muitas vezes, a influência difusa de leituras da infância ou da adolescência”.
A leitura que este historiador fez de suas fontes, será apresentada aqui com uma carga dada por uma série de transferências de leituras anteriores, ou de leituras de leituras.
Buscou-se escrever a história na forma de um constante diálogo do historiador com suas fontes, tendo em mente que esses textos não podem ser reduzidos a “forças contextuais ou meras fontes documentais” já que os historiadores agem sobre esses textos de forma a “refigurarem seus contextos e retrabalharem seu material”.
Com isso em mente, buscou-se apresentar a leitura como compreensão, ou seja, como o “acesso a um conhecimento diferenciado, aquele que lhe permite […] a compreensão, assimilação e questionamento, seja da própria escrita, seja do real em que a própria escrita se insere”.
Se concordarmos com a opinião de Roland Barthes de que, na história, interessa hoje não o real, mas o inteligível, podemos acrescentar que a leitura e sua compreensão permitem o acesso à inteligibilidade do passado.
Dai buscarmos respostas aos como e porque da leitura, tanto quanto aos que, como e onde. Buscamos também explicitar os “elementos cognitivos e afetivos da leitura”, na tentativa de entendermos as variações culturais nos significados estabelecidos através da leitura.
Em que medida esses objetivos, bastante ambiciosos, serão efetivados, é uma questão para a qual só tenho as respostas que apresentarei a seguir.
As pistas encontradas e utilizadas na reconstrução da leitura, serviram para explicitar aspectos da vida e da organização social, no tocante a seus modos de relacionar-se com a palavra impressa (e, portanto, com a informação).
Embora fragmentário – e toda história o é – este trabalho procurou tornar inteligível um certo passado, que se reporta, de incontáveis formas, ao presente.

 

Camisa Bicicleta

Deixe uma resposta