A Formação Do Capitalismo Dependente No Brasil – O Brasil não foi propriamente descoberto, foi construido em função de sucessivos interesses externos. A Formação Do Capitalismo Dependente No Brasil analisa as grandes etapas do desenvolvimento do país, do século XVI até o golpe de 1964, procurando identificar as articulações cada vez mais complexas entre os interesses internacionais e as dinâmicas internas
O Brasil é hoje responsável por um quarto da produção industrial do Terceiro Mundo, mas consegue, simultaneamente, apresentar uma das organizações sociais mais injustas do mundo e figura em bom lugar em todos os exemplos de miséria em países subdesenvolvidos. Enquanto durava o milagre, a miséria de uns e prosperidade de outros eram apresentadas como “inevitáveis”: hoje, com o estancamento do milagre e o aprofundamento da crise, torna-se cada vez mais visível que a própria polarização constitui um fator de bloqueio do nosso desenvolvimento.
Em outros termos, torna-se mais claro que não basta equipar o subdesenvolvimento para vencê-lo, que o subdesenvolvimento moderno ainda é subdesenvolvimento. e que as raízes do problema são bastante mais profundas.
O Brasil não é nem só a prosperidade mostrada por uns, nem só a miséria apontada por outros. É, antes de tudo, uma forma particular de articulação de pobreza e miséria, no contexto mundial de formação do subdesenvolvimento.
Esta articulação e as suas longas raízes são hoje cada vez mais compreensíveis, na sequência da recente explosão de pesquisa dos economistas e historiadores do Terceiro Mundo sobre as origens do subdesenvolvimento.
Este amplo e recente acervo teórico é aqui utilizado para tentar reinterpretar, de maneira simples e didática, o processo da formação e deformação das nossas estruturas econômicas e sociais.
Escrito na Polônia, durante os anos de exílio, A Formação Do Capitalismo Dependente No Brasil foi publicado em Lisboa, em Paris e em Varsóvia antes de poder chegar ao leitor brasileiro.
Tratando-se de um trabalho geral, não foram feitas modificações significativas entre as edições. O leitor atento à problemática da evolução da estruturas sócio-econômicas do Brasil encontrará lacunas bibliográficas que hoje me parecem evidentes, mas que não pude preencher no exterior.

 

Camisa Drummond

Deixe uma resposta