Bismarck E Seu Tempo – Bismarck, como a maioria dos homens, afirma George O. Kent, tinha algumas lacunas visíveis. Sua imaginação criativa, energia e rara intuição política eram prejudicadas por uma inabilidade aparente de avaliar corretamente tendências contemporâneas poderosas como o socialismo e a industrialização.
Ao longo de sua carreira, ele acreditava que podia controlar e dirigir essas forças e preservar a ordem estabelecida com apenas pequenas modificações. Num nível mais pessoal (e mais relacionado à política interna do que à política externa), sua disposição em usar meios morais e imorais, verdade ou mentira, e sua suspeição intensa e falta de respeito pelas pessoas fizeram com que fosse difícil para ele atrair e trabalhar com homens brilhantes e independentes.
Neste estudo o autor afirma ainda que as grandes esperanças de 1870-71, de que o “Reich” se tornaria um Estado moderno estável e integrado, não se cumpriram. Bismarck não conseguiu ajustar-se à nova e cambiante ordem e não se dispunha (ou não tinha condições) a preparar uma sucessão pacífica e duradoura.
Quão diferente é a imagem de Bismarck que emerge de reavaliações e reexames recentes! Sua dimensão, apesar de impressionante, é prejudicada por sérias imperfeições e falhas. Sua obra não pode mais ser vista como a criação perfeita que se acreditava ser.
Em vez disso, deve ser vista como uma tentativa de um homem de resolver o monumental problema de criar um Estado alemão ao final do século XIX, uma tentativa que, afinal, foi concebida de forma muito limitada e mantida de forma demasiadamente rígida por muito tempo. Ele foi também responsável por colocar a Alemanha no seu curso futuro, apesar de seus sucessores terem tido bastante tempo para mudar ou modificar esse curso e escolher um outro caminho.
O fato de o Estado que Bismarck criou haver durado menos de um século é testemunha ampla de suas deficiências básicas, conclui George O. Kent nesta excelente reavaliação de Bismarck.

 

Camisa Mosaico

Deixe uma resposta