História Do Negro Brasileiro – O negro brasileiro sempre foi visto por grande parcelas da nossa população como elemento negativo na formação nacional. Este livro mostra, ao contrário, que ele foi a grande matriz do nosso processo civilizatório.
No entanto, essa imensa contribuição lhe é sonegada ou subestimada e ele é ainda considerado, por muitos, um elemento exótico no contexto nacional. Sua presença histórica é resgatada pelo autor deste volume, que desfaz estereótipos para afirmar que a nação brasileira teve no negro o mais ponderável dos fatores da sua formação, através do seu trabalho, cultura, sensibilidade e patriotismo.
Como outros intérpretes contemporâneos do Brasil, Clóvis Moura lançou mão da análise marxista, mas ao contrário de outros autores, ele buscou se aprofundar sobre um assunto repleto de subterfúgios, que era a luta dos escravos contra o cativeiro. Moura estabeleceu, através da análise dos quilombos e das numerosas insurreições escravas, uma nova interpretação da formação da sociedade brasileira.
Observou ele que a sociedade brasileira se formou através de uma contradição fundamental, senhores versus escravos, e em sendo as demais contradições decorrentes dessa, pautadas por extrema violência, aspecto central do sistema escravista. Clóvis Moura remete ao pensamento marxista quando relaciona o negro como o sujeito histórico da sua própria transformação e quando observa que as relações de produção têm como base o racismo como elemento estrutural e estruturante no Brasil.
Portanto, da mesma forma que Marx entendia a classe operária como sujeito da revolução, e esta descoberta foi feita a partir da experiência com os movimentos sociais mais avançados de sua época, Clóvis coloca no negro o sujeito revolucionário e protagonista de sua auto-emancipação dentro de uma práxis histórica negra.
Dessa forma, Clóvis conclui que todos os movimentos que desejam mudança social são movimentos políticos apesar do fato dos seus agentes coletivos não terem total consciência disso. Logo, esse fenômeno se apresenta pelo nível de consciência social de cada um e as propostas subsequentes para a mudança projetada, mas todos se enquadram (com maior ou menor nível de consciência social) na proposta da transformação revolucionária (ou não) da sociedade.

Camisa Coração

Deixe uma resposta