Por Debaixo Da Floresta: Amazônia Paraense Saqueada Com Trabalho Escravo – Encomendada pela Comissão Pastoral da Terra (CPT) e o Centro de Defesa da Vida e dos Direitos Humanos Carmen Bascarán (CDVDH/CB), dentro do novo Programa RAICE, essa pesquisa de campo na região do rio Tapajós revela que, nas frentes de exploração clandestina, trabalhadores são submetidos a condições extremamente degradantes, com mutilações e mortes, em uma cadeia de terceirização eximindo as madeireiras de qualquer responsabilidade ambiental e trabalhista.
Trabalhadores são abandonados à própria sorte, enredados em esquema de dependência, violência e medo. Naquela região, próxima à BR 163, a pesquisa não encontrou uma só madeireira que agisse totalmente dentro da lei, ou seja, que já não tenha sido autuada por alguma grave irregularidade. A palpitante investigação resumida neste livro traz um complexo desafio.
Parece impossível acreditar que a história contada EM Por Debaixo Da Floresta não seja uma ficção e que se desenrole nos dias de hoje, invisível por debaixo da floresta Amazônica.
Quem acompanhou a Operação Madeira Limpa, coordenada pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal em 2015, pode perceber a dimensão do problema: negociação de créditos para exploração e transporte de madeira extraída ilegalmente de unidades de conservação ambiental e de terras indígenas; venda de informações privilegiadas sobre fiscalização; legalização de irregularidades nos órgãos públicos; envolvimento do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – Incra – para possibilitar a extração de madeira em assentamentos de reforma agrária; coação de assentados para que aceitassem a extração em troca de acesso a direitos e a outros programas sociais que, em tese, lhes são garantidos; desmatamento e grilagem de terra por grandes pecuaristas.
O caso ganhou repercussão midiática pela prisão de 30 pessoas envolvidas no esquema, entre elas o próprio superintendente do Incra em Santarém, Pará. Porém, pouco se falou na imprensa sobre como toda essa madeira era retirada de áreas de florestas protegidas: com o uso de trabalho escravo. Por Debaixo Da Floresta irá mostrar, a partir dos resultados da pesquisa realizada pelo projeto Raice em 2015 na região oeste do Pará – entre os rios Xingu e Tapajós e nas imediações das rodovias Transamazônica e BR-163 –, que não há extração ilegal de madeira sem trabalho escravo.

Camisa Livr’Andante

Deixe uma resposta