Aldous Huxley – Também O Cisne Morre

Posted on Posted in Literatura Estrangeira

Também O Cisne Morre – Este livro traça o retrato de um milionário californiano dos anos 1930 que tem medo de morrer. Jo Stoyle paga uma fortuna para o inescrupuloso doutor Obispo pesquisar um modo de prolongar a vida humana. O enredo tem muito de ficção científica: o milionário descobre que um nobre inglês encontrou um modo de materializar sua idéia fixa.
Ele viaja para a Inglaterra e encontra esse nobre, embora muito parecido com um macaco. Mesmo assim, Stoyle decide imitá-lo, sem medir as consequências. Estes são os elementos da sátira de Adous Huxley sobre o desejo humano de viver para sempre. Com a sutileza e sofisticação intelectual de Huxley, Também O Cisne Morre acompanha seus personagens na busca pela eternidade, terminando com uma nota de horror.
Aldous Huxley (1894-1963) é um dos mais importantes escritores do século XX e ficou mundialmente conhecido não só pelo seu famoso romance Admirável mundo novo, como também por seus discursos pacifistas, cada vez mais urgentes na Europa daquelas décadas. Porém, vencido pela guerra que enfim chegara, Huxley mudou-se para os Estados Unidos onde também trabalhou, assim como F. Scott Fitzgerald e William Faulkner, como roteirista em Hollywood.
O contato impactante com a América o levou a escrever Também O Cisne Morre. Publicado pela primeira vez em 1939, o romance narra o encontro de Jeremy Pordage, scholar britânico um tanto arrogante e inseguro, e Jo Stoyte, milionário tão poderoso quanto superficial, que o contrata para analisar uns documentos antigos — Stoyte teria sido inspirado, assim como o Cidadão Kane de Orson Welles, em William Randolph Hearst, magnata das comunicações conhecido por todos que estavam de alguma maneira ligados ao mercado cinematográfico.
No castelo kitsch de Stoyte, com provas de mau gosto e ostentação, Pordage conhece ainda a senhorita Virginia Maunciple, a jovem amante de Jo; Sigmund Obispo, cientista cuja pesquisa sobre a longevidade tem sido financiada por Stoyte; e Pete Boone, assistente de Obispo, cujas convicções revolucionárias seriam abaladas pelas ideias pacifistas de William Propter. Durante a narrativa, as tramas sobre as pesquisas de Pordage e Obispo, intercaladas pelos discursos e reflexões de Propter, aproximam-se até culminarem num final surpreendente.

   

 

 

Camisa Pessoa

Deixe uma resposta