O número crescente de blogs1 constitui um dos fenómenos mais marcantes da Internet na actualidade. Estes dispositivos multiplicaram-se nos últimos anos a um ritmo alucinante, um pouco por todo o mundo.
Se inicialmente muitos achavam que se tratava apenas de um fenómeno passageiro, a sua dimensão e expansão provam exactamente o contrário.
O mundo da blogosfera é um espaço caracterizado pela liberdade de expressão, sendo a opinião o motor que a faz avançar. A publicação simples e acessível é apenas uma vantagem destes dispositivos que, tal como muitas outras ferramentas proporcionadas pela Internet, apagaram as barreiras de espaço e de tempo. “A capacidade de contactar, no imediato, com um outro utilizador da rede nos antípodas do espaço geográfico, e receber resposta quase imediata, abre um conjunto alargado de possibilidades, criando uma conjuntura, nunca antes possível, de comunicação global”.
Todas estas possibilidades permitidas pelos blogs parecem colocarmos perante um alargamento do espaço público. Vozes e olhares sobre a realidade envolvente encontram assim uma nova forma de se afirmarem.
O espaço público é alargado no âmbito da apresentação de diferentes pontos de vista sobre determinados assuntos. Simultaneamente, a comunicação é feita de forma cada vez mais segmentada e consequentemente fragmentada. O tema central desta dissertação será: “Blogs e a fragmentação do espaço público”. A fragmentação referida manifesta-se sobretudo através da publicação individual permitida pelas potencialidades destas ferramentas e é analisada no primeiro capítulo e justificada nos restantes quatro do trabalho.
Na tentativa de dar respostas às várias questões aqui colocadas, damos então início a esta viagem pela blogosfera portuguesa no sentido de desvendarmos os factores que contribuem para a fragmentação do espaço público. Em relação à metodologia, teremos por base, não só a bibliografia existente sobre as várias temáticas que pretendemos abordar, mas também a opinião que os próprios bloggers vão tecendo sobre alguns temas em causa, porque são eles de facto os intervenientes activos na blogosfera. Tentaremos assim fazer uma análise reflexiva dando exemplos concretos e considerando ainda os dados recolhidos através de um inquérito realizado sobre a blogosfera portuguesa. Partimos assim à descoberta de um novo território comunicacional que alarga horizontes e envolve milhares de utilizadores.

Deixe uma resposta