Yves Lacoste – Geografia Do Subdesenvolvimento

Geografia Do Subdesenvolvimento – Que seria uma geografia do subdesenvolvimento? Muitos pensarão à primeira vista que se trata de um estudo enumerativo, descritivo e diferencial dos países subdesenvolvidos. Tal estudo não seria mais que um resumo dos dez volumes desta coleção que tratarão da América, dos países subdesenvolvidos da Ásia, da América Latina. Seu interesse e sua utilidade seriam bastante limitados. O autor quis, ao contrário, fazer um prefácio ao estudo do subdesenvolvimento nas diferentes formas em que se apresenta no mundo.
Geografia Do Subdesenvolvimento e não economia ou sociologia porque sua abordagem é a do geógrafo através das situações, das relações de força que condicionam em cada meio e em cada momento da história a vida e o destino de um povo. Absteve-se de abordar aqui o exame dos diversos caminhos do desenvolvimento traçados do interior ou do exterior. Seria prematuro antes do estudo sistemático de todos os países subdesenvolvidos.
O subdesenvolvimento é, no mundo de hoje, um fenômeno geográfico e, como todos os fenômenos geográficos, é infinitamente matizado, segundo o jogo respectivo dos diversos fatores, que são, neste caso, sobretudo os freios ao desenvolvimento. É preciso conhecê-los para compreender no seu conjunto situações e problemas de países que cobrem dois terços do mundo, e que interessam a três quartas partes da população terrestre.
A questão colonial é um tema emocionalmente próximo à Lacoste que transformou-se, ao longo de sua formação intelectual, em um objeto de pesquisa e investigação científica. O autor cursou Geografia no Instituto de Geografia da Sorbonne, em Paris, e fez um mestrado sobre a geomorfologia do Marrocos, inspirado no trabalho do seu pai geólogo, Jean Lacoste. Após a aprovação no exame de agrégation, mudou-se para a Argélia, onde foi professor de liceu entre 1952 e 1955. Lá o autor filiou-se ao partido comunista argelino, mas deixou-o em 1956, quando do agravamento dos conflitos naquele país.

Camisa Coração

Deixe uma resposta