A imagem do artista de Baudelaire aproxima-se da imagem do herói. Eles se eqüivalem mutuamente desde o início. A força de vontade, assim se lê no Salon de 1845, deve ser um dom realmente precioso e aparentemente nunca se utiliza em vão, pois é suficiente para emprestar algo de inconfundível “… mesmo a obras de segunda categoria… O espectador aprecia o esforço; ele bebe o suor”. Nos Conseils aux jeunes littérateuts do ano seguinte encontra-se a bela fórmula em que aparece a “contemplation opi-niâtre de l’oeuvre de demain” como a garantia da inspiração. Baudelaire conhece a “indolence naturelle des inspires”. Musset nunca teria compreendido quanto trabalho é necessário “para criar uma obra de arte de uma fantasia”. Baudelaire, pelo contrário, apresentava-se desde o início perante o público com um código próprio, com regras e tabus próprios. Barrés pretende “reconhecer no mais insignificante vocábulo de Baudelaire o vestígio dos esforços que lhe deram a grandeza”. “Baudelaire conserva algo de sadio até em suas crises nervosas, escreve Gourmont”. A apreciação mais feliz é do simbolista Gustave Kahn quando diz que “o trabalho poético se parecia em Baudelaire com um esforço físico”. Encontra-se na obra deste uma prova desta afirmação — em uma metáfora que merece ser analisada mais de perto.
Trata-se da metáfora do esgrimista. Nesta, Baudelaire gostava de apresentar os traços marciais como traços artísticos. Quando descreve Constantin Guys de quem gostava, procura-o num momento em que os outros dormem; “como ele está ali, debruçado sobre a mesa, olhando a folha de papel com a mesma vivacidade com que olha, durante o dia, as coisas ao seu redor; como esgrime com o seu lápis, sua pena, seu pincel; como deixa que’ a água respingue do seu copo para o teto e como experimenta a pena em sua camisa; como trabalha depressa e com ímpeto, parecendo temer que as imagens lhe fujam. Assim ele é marcial embora solitário, contra-atacando seus próprios golpes”.
Na estrofe inicial do Soleil Baudelaire retratou-se nessa “luta fantástica” — e trata-se do único trecho nas Flettrs du mal que o apresenta em seu trabalho poético. O duelo de que participa todo o artista no qual “solta um grito de terror antes de ser vencido” é conhecido como um idílio; a violência do duelo passa a segundo plano aparecendo apenas o seu encanto.

Deixe uma resposta