Victor Hugo – Os Trabalhadores Do Mar
A religião, a sociedade, a natureza: tais são as três lutas do homem. Estas três lutas são ao mesmo tempo as suas três necessidades; precisa crer, daí o tempo; precisa criar, daí a cidade; precisa viver, daí a charrua e o navio.
Mas há três guerras nestas três soluções. Sai de todas a misteriosa dificuldade da vida.
O homem tem de lutar com o obstáculo sob a forma superstição, sob a forma preconceito e sob a forma elemento.
Tríplice ananke pesa sobre nós, o ananke dos dogmas, o ananke das leis, o ananke das coisas. Na Notre-Dame de Paris, o autor denunciou o primeiro; nos Miseráveis, mostrou o segundo; neste livro indica o terceiro.
A estas três fatalidades que envolvem o homem, junta-se a fatalidade interior, o ananke supremo, o coração humano.
Os Trabalhadores Do Mar é, obra da época de exílio do poeta, dramaturgo e romancista francês Victor Hugo (1802-1885).
Ambientada na ilha de Guernesey, no canal da Mancha, para onde o autor se expatriou, Os Trabalhadores Do Mar narra o embate do homem contra as forças da natureza e o poder avassalador de uma paixão.
Traduzido por Machado de Assis, Os Trabalhadores Do Mar conta a história de Gilliat, um jovem trabalhador rejeitado pela comunidade onde vive que se apaixona por Déruchette, a bela sobrinha do armador Lethierry.
Para conquistar a jovem, Gilliat enfrenta uma batalha com a natureza para recuperar o motor do navio naufragado de Lethierry, um vapor, grande invenção da época.
A ilha de Guernesey, onde a trama se passa e onde Victor Hugo viveu num exílio auto infligido, serve de palco mundano para um drama de questões profundas.
Os Trabalhadores Do Mar inclui capítulos não publicados na primeira edição brasileira, traduzidos pela poeta Marília Garcia, e ilustrações feitas pelo próprio Victor Hugo.

 

Camisa Bicicleta

Deixe uma resposta