Slavoj Žižek – Lacrimae Rerum

Posted on Leave a commentPosted in Cinema

Lacrimae Rerum reúne um conjunto de ensaios sobre cinema moderno. Numa abordagem às filmografias de Kieslowski, Hitchcock, Tarkovsvki e Lynch, Žižek decripta as imagens e o cinema de cada um destes autores para nos propor um estudo aprofundado dos seus motivos e movimentos. E colocando-nos face aos nossos próprios medos, ou desejos, estabelece a ponte final da análise entre o espectador-receptor e a projeção das suas pulsões em imagens tão familiares quanto fabricadas. (mais…)

Slavoj Žižek – Problema No Paraíso

Posted on Leave a commentPosted in Ciências Sociais, Economia, Filosofia, História

Problema No Paraíso: Do Fim Da Historia Ao Fim Do Capitalismo traz uma análise imperdível feita por um dos mais combativos e indispensáveis pensadores da atualidade.
As coisas não vão bem no paraíso capitalista global. Mas, apesar de vivermos em crise permanente, parece que ainda aceitamos a ideia de que o capitalismo representa o melhor de todos os mundos possíveis. Essa é a premissa inicial de Slavoj Zizek em Problema No Paraíso. (mais…)

Slavoj Žižek – Acontecimento

Posted on Leave a commentPosted in Filosofia

Um mergulho no que há de mais excitante e essencial na filosofia Somos de fato agentes de nossos próprios destinos? O que é preciso para que nós tenhamos a percepção de que algo realmente existe? Num mundo em constante mudança, alguma coisa nova está efetivamente acontecendo?
Abordando questões fundamentais em linguagem clara e acessível, um dos mais importantes e conhecidos filósofos da atualidade, Slavoj Žižek nos leva a uma viagem por diferentes definições de um conceito relativamente novo e controverso: o acontecimento. (mais…)

Slavoj Žižek – Problema No Paraíso

Posted on Leave a commentPosted in Ciências Sociais, Economia, Filosofia

Problema No Paraíso traz uma análise imperdível feita por um dos mais combativos e indispensáveis pensadores da atualidade.
As coisas não vão bem no paraíso capitalista global. Mas, apesar de vivermos em crise permanente, parece que ainda aceitamos a ideia de que o capitalismo representa o melhor de todos os mundos possíveis. Essa é a premissa inicial de Slavoj Zizek em Problema No Paraíso. (mais…)

Ivana Jinkings (Coord.) – Marx: A Criação Destruidora (Curso De Introdução À Obra De Slavoj Žižek)

Posted on Leave a commentPosted in Ciências Sociais, Filosofia

Diante das consequências da crise econômica global e da nova configuração política no Brasil e no mundo, o que Marx tem a nos ensinar hoje? Como a sua vasta obra, principalmente O capital, pode contribuir para entender e transformar o nosso tempo? Para debater a atualidade e a pertinência da produção teórica desse gigante da filosofia, a Boitempo Editorial e o Sesc realizam durante os meses de março a maio o projeto MARX: a criação destruidora, que reunirá alguns dos mais renomados especialistas da tradição marxista, com destaque para o filósofo esloveno Slavoj Žižek, o geógrafo britânico David Harvey e o cientista político alemão Michael Heinrich, integrante do projeto MEGA-2 (Marx-Engels-Gesamtausgabe), instituição detentora e curadora dos manuscritos de Karl Marx e Friedrich Engels.

Slavoj Žižek – Primeiro Como Tragédia, Depois Como Farsa

Posted on Leave a commentPosted in Ciências Sociais

Em Primeiro como tragédia, depois como farsa – analogia à famosa frase de Karl Marx em O 18 de brumário sobre a repetição dos Bonaparte no poder (Napoleão e Luís) –, o filósofo esloveno Slavoj Žižek sustenta a tese de que vivemos em uma nova etapa do capitalismo global, na qual o mesmo discurso que garantiu uma ofensiva geopolítica após os atentados de 11 de setembro tem encontrado dificuldade em se sustentar no período pós-crise financeira de 2008. Traçando uma argumentação tanto da tragédia como da atual farsa, o autor expõe o cinismo contemporâneo dos pregadores e praticantes da democracia liberal ao analisar o discurso do presidente Bush em dois momentos diferentes que evocam a suspensão parcial dos valores norte-americanos (garantia de liberdade individual, capitalismo de mercado) para salvar da falência esses mesmos valores. A Žižek parece, portanto, que a utopia democrático-liberal teve de morrer duas vezes, já que o colapso da utopia política do 11 de Setembro não trouxe o fim da utopia econômica do capitalismo de mercado global, o que só ocorreu com a crise financeira de 2008.
Para o autor, o mais atual anacronismo vivido pelas nações modernas teve início com a queda do Muro de Berlim, evento histórico que parecia anunciar a vitória da democracia liberal e o surgimento de uma comunidade global sem fronteiras. O 11 de Setembro, no entanto, revelou um movimento oposto com o surgimento de novos muros e contradições: entre Israel e Cisjordânia, em torno da União Europeia, na fronteira entre Estados Unidos e México e até no interior de Estados-nações, que acolhem “cidadãos globais” que vivem isolados em “castelos na Escócia, apartamento em Manhattan e ilha particular no Caribe”, além dos moradores das favelas e bolsões de pobreza, que são o outro lado da mesma moeda.

Slavoj Žižek – Violência

Posted on Leave a commentPosted in Ciências Sociais

O fenômeno moderno da violência, entre as explosões contraditórias das ruas e a opressão silenciosa de nosso sistema político e econômico
O desenvolvimento do capitalismo e da própria civilização causa mais violência do que é capaz de prevenir?
Neste apaixonante apelo à consciência, as sociedades em que vivemos são viradas de cabeça para baixo, em uma análise que articula conhecimentos dos múltiplos campos da história, da psicanálise, da filosofia, da sociologia e das artes, dissecando a violência inerente à globalização, ao capitalismo, ao fundamentalismo e à própria linguagem.
Para Žižek, é preciso perceber os contornos dos cenários que engendram tais explosões. “Os sinais mais evidentes de violência que nos vêm à mente são atos de crime e terror, confrontos civis, conflitos internacionais. Mas devemos aprender a dar um passo para trás, a desembaraçar-nos do engodo fascinante dessa violência ‘subjetiva’ diretamente visível, exercida por um agente claramente identificável”, provoca.

Slavoj Žižek & Outros- Cidades Rebeldes

Posted on Leave a commentPosted in Ciências Sociais

Na esteira dos recentes protestos que abalaram o país, a Boitempo lança Cidades rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. Trata-se do primeiro livro impresso inspirado nos megaprotestos que ficaram conhecidos como as Jornadas de Junho, além de ser o principal esforço intelectual até o momento de analisar as causas e consequências desse acontecimento marcante para a democracia brasileira. Escrito e editado no calor da hora, em junho e julho, Cidades rebeldes é um livro de intervenção, que traz perspectivas variadas sobre as manifestações, a questão urbana, a democracia e a mídia, entre outros temas.
Participam dessa coletânea autores nacionais e internacionais, como Slavoj Žižek, David Harvey, Mike Davis, Raquel Rolnik, Ermínia Maricato, Jorge Souto Maior, Mauro Iasi, Silvia Viana, Ruy Braga, Lincoln Secco, Leonardo Sakamoto, João Alexandre Peschanski, Carlos Vainer, Venício A. de Lima, Felipe Brito e Pedro Rocha de Oliveira. Paulo Arantes e Roberto Schwarz assinam os textos da quarta capa. O livro também conta com um ensaio fotográfico do coletivo Mídia NINJA e ilustrações sobre as manifestações de Laerte, Rafael Grampá, Rafael Coutinho, Fido Nesti, Bruno D’Angelo, João Montanaro e Pirikart, entre outros.