Deribaldo Santos – A Particularidade Na Estética De Lukács

Deribaldo Santos – A Particularidade Na Estética De Lukács
O presente livro foi inicialmente pensado como um conjunto de notas que pudessem auxiliar os leitores interessados pela Estética de Lukács; mais especificamente para aqueles estudantes e estudiosos que pretendem ter uma compreensão mais destacada sobre a importância que a categoria da particularidade assume nas investigações sobre o campo estético do pensador magiar. Continuar lendo

Nicolas Tertulian – Georg Lukács: Etapas De Seu Pensamento Estético

Georg Lukács: Etapas De Seu Pensamento Estético – Este livro traz textos produzidos em diferentes circunstâncias, a partir de 1969, com a finalidade de permitir o acesso, por etapas sucessivas, à evolução do pensamento de Georg Lukács. Em vez de produzir uma monografia no sentido rigoroso do termo, o autor preferiu estudar a obra de Lukács por segmentos sucessivos, desenhando inicialmente um mapa global para, em seguida, fazer análises mais detalhadas das principais obras. Continuar lendo

György Lukács – O Romance Histórico

O Romance Histórico, de György Lukács, é considerado o trabalho mais significativo do filósofo nos anos de exílio na União Soviética. Nele, o filósofo húngaro amadurece os fundamentos da sua teoria dos gêneros literários com uma abordagem materialista da história da literatura moderna e investiga a natureza da interação entre o espírito histórico e a grande literatura: correntes, ramificações e pontos de confluência que, do ponto de vista da teoria, são característicos e imprescindíveis. “E isso apenas em relação à literatura burguesa; a mudança provocada pelo realismo socialista ultrapassa os limites de meu estudo”, delimita o autor. Continuar lendo

György Lukács – Arte E Sociedade: Escritos Estéticos

Arte E Sociedade: Escritos Estéticos – Esta coletânea, organizada por Carlos Nelson Coutinho e José Paulo Netto, reúne importantes ensaios estéticos de György Lukács, o grande pensador marxista húngaro. A coletânea se divide em duas partes, que contém, respectivamente, ensaios sobre história da estética (Hegel, Marx e Engels, Nietzsche) e análises de diferentes gêneros literários (romance, sátira, lírica, tragédia). A sua leitura permite ver por que Lukács é considerado por muitos o “Marx da estética”. Continuar lendo