Christian Iber & Nicole Barbosa – Hölderlin: O Fragmento Juízo E Ser E Alguns Poemas

Hölderlin era um homem de boa aparência que poetava.
Nascido em 1770,  em  Lauffen,  uma  pequena  cidade  no  rio  Neckar,  perto  de Nürtingen,  para  onde  logo  depois  do  seu  nascimento  a  família  se mudou,   ele   frequentou   mais   tarde   a   Fundação   Evangêlica   em Tübingen,  estudou  teologia  e  filosofia  e  conheceu  colegas  que mais tarde  se  tornaram  filósofos  muito  famosos, como  Hegel e  Schelling.
Ele  mesmo  filosofou  também,  mas  ele  gostava  mais  de  escrever poemas. Visto que ele se recusou a tornar-se pastor, atuou como tutor para   crianças   de   famílias   abastadas.   Ele   estudou   também   na Universidade em Jena, conheceu vários poetas famosos, como Schiller e Goethe, e grandes filósofos, como Reinhold e Fichte. Diz-se que ele pretendia  tornar-se docente  de  filosofia.  Ele  abandonou  à  disparada essa cidade e surgiu desalinhadamente em Nürtingen. A partir disso, em  vários  lugares  (Alemanha: Frankfurt,  Suíça: Hauptwil,  França: Bordeaux) ele teve que ganhar seu dinheiro como tutor. No início de 1802, ele viajou a pé da Alemanha para Bordeaux, na França. Depois
de  poucas  semanas  ele  retornou  para  Wurttemberg  com  um espírito descomposto. Seu estado de espírito piorou ainda mais no decorrer de quatro  anos.  No  ano  de  1806,  com  violência,  ele  foi  levado  para  o hospital  universitário  em  Tübingen.  A  partir  disso,  para  os  seus contemporâneos ele foi avaliado como louco. Ele passou os anos entre
1806 – 1843, isto é, a metade da sua vida, em uma torre em Tübingen sob  fiscalização  oficial.  Essa  torre  hoje  porta  o  seu  nome.  Ainda  no ano de 1826 ocorreu a primeira coletânea das suas obras por Gustav Schwab e Ludwig Uhland. Sempre me supreendo com o fato de que, apesar da sua loucura, era capaz de tocar piano, como foi relatado.

Christian Iber – Elementos Da Teoria Marxiana Do Capitalismo: Um Comentário Sobre O Livro I De O Capital De Karl Marx

marx

O presente livro é, mundialmente, o único comentário integral do livro I de O Capital de Karl Marx. Devido ao desmoronamento do “socialismo real” e o declínio do marxismo oficial temos, há mais de 20 anos, o completo triunfo da economia liberal. Sua dominação torna-se completa e global. Por isso, a tematização da teoria de Marx sobre o capitalismo faz-se necessária. O livro pretende fazer uma separação entre a teoria marxista e o marxismo, entre Marx como cientista e filósofo e Marx como fundador da visão marxista de mundo. Como cientista que pratica filosofia no modo da sua negação, a pretensão de Marx se refere ao todo. Ele executa uma ruptura tanto com a ciência da Economia Política bem como com a efetividade da sociedade burguesa.

pdf

Christian Iber – A Febre Da Copa Do Mundo: Uma Gigante Festa Apolítica?

cop

Jogar futebol e assisti-lo entusiasma alguns homens, mas não se vibra por quem joga melhor, vibra-se, por exemplo, pelo Brasil (verde-amarelo) ou pela Alemanha (preto-vermelho-ouro), isso é claro. Febre da Copa do Mundo, quilômetros de fãs, Fan Fest e public viewing [telão público para exibição do jogos] etc. No cenário inteiro da Copa do Mundo o futebol-nacionalista vive e goza a emoção do povo, o sentir da solidariedade e de pertencimento à nação brasileira/alemã etc., e na comunidade com “nosso time” o futebol-nacionalista quer, ao menos uma vez inteiramente consciente, não saber nada do cotidiano desagradável, da necessidade de concorrência nem da maldade que são por sua vez comuns entre os membros da nossa sociedade.
Por ocasião da emoção do povo notoriamente sem distância na Copa do Mundo no Brasil, este artigo fornece Seis teses filosóficas sobre o futebol e a Copa do Mundo que examinarão esse fenômeno a fundo. O tema é: o futebol em nossa sociedade contemporânea capitalista.

pdf