o autor de O Colapso Da Modernização anuncia para breve, nada mais, nada menos, do que o fim deste mundo.

Robert Kurz – O Colapso Da Modernização: Da Derrocada Do Socialismo De Caserna À Crise Da Economia Mundial

Robert Kurz analisa, de forma arguta, os fatos que levaram à derrocada dos países socialistas, fornecendo um novo arsenal de ideias para a compreensão de tão importante fenômeno.

Segundo o autor, esse movimento representaria o início da crise do próprio sistema capitalista. É o impasse em que o sistema capitalista encontra-se que o autor pretende. de forma arguta. analisar.

O autor de O Colapso Da Modernização anuncia para breve, nada mais, nada menos, do que o fim deste mundo. Na verdade, fim do mundo e da modernidade historicamente erigidos pelo que ele chama de “sistema produtor de mercadorias baseado no trabalho abstrato”.

A obra de Kurz não trata propriamente de assuntos novos. O colapso do capitalismo, por exemplo, foi um dos temas mais debatidos pelos marxistas, desde o final do século passado até, pelo menos, a década de 1970. Nem mesmo é novo o enfoque pelo qual ele aborda a derrocada dos países do Leste Europeu, considerando-os como “capitalistas de Estado”.

Original foi o momento que ele escolheu – pouco depois da derrubada do muro de Berlim e do anúncio do “fim da História” e da “vitória definitiva do neoliberalismo” – para lançar O Colapso Da Modernização contendo três previsões que não deixam de ser surpreendentes.

A primeira: o futuro dos países antes chamados socialistas não é suposta bonança dos países capitalistas centrais, mas a miséria do Terceiro Mundo. A segunda: os países capitalistas centrais serão os próximos a ser atingidos pela mesma catástrofe responsável pela derrocada do Leste. A terceira: o que está em crise, e a caminho da derrocada final, é o capitalismo como sistema mundial.

O qual deverá ser substituído por um sistema econômico cuja lógica não mais será a produção de mercadorias baseada na exploração do “trabalho abstrato”: o comunismo.

Embora, as suas principais teses sobre o colapso do capitalismo estejam baseadas na teoria do trabalho abstrato de Marx, ele próprio faz questão de rejeitar a teoria da luta de classes.

Para o autor alemão, o movimento operário estaria prisioneiro da ideia de que as classes foram ontologicamente criadas, ideia esta derivada da razão subjetiva da burguesia iluminista, sendo assim, incompatível com a própria crítica que Marx faz da economia política. Afirma ele:

“Sem dúvida, revela-se aqui um dilema até hoje insuperado no centro da teoria de Marx. A afirmação do movimento operário, por parte de Marx, que nas expressões de movimento dos ‘trabalhadores’, ‘posição do trabalhador’, ‘posição de classe’ etc. atravessa toda sua obra, é na verdade inconciliável com sua própria crítica da economia política, que desmascara precisamente aquela classe trabalhadora não como categoria ontológica, mas sim como categoria social constituída, por sua vez, pelo capital”.

Deixe uma resposta