O objetivo do presente trabalho, tal como consta no projeto pessoal de pós-doutorado em Filosofia na UFSC, é buscar apresentar e analisar os conceitos hegelianos de “amor ético” (sittliche Liebe) e o de “disposição espiritual do amor” (Gesinnung der Liebe), usados respectivamente nos §§ 172 e 164 A da sua Filosofia do Direito (Philosophie des Rechts), pois são essenciais ou determinantes para compreender a sua Filosofia Política, a qual proporciona muitos aspectos atuais para nossos dias. Em resumo, os citados conceitos de “disposição espiritual” (Gesinnung), de “amor” (Liebe) e/ou de “amor ético” (sittliche Liebe), em Hegel, são empregados com rigor e coerência para definir e esclarecer a questão ou o tema essencial, por exemplo, do que é o “ético” (Sittlich), a “relação ética” (sittliche Verhältnis), o “amor espiritual” (geistige Liebe), o “amor autoconsciente” (selbstbewußte Liebe), a “disposição espiritual ética” (sittliche Gesinnung) e, ainda, a “disposição espiritual política” (politische Gesinnung), todos elementos determinantes da importante teoria hegeliana de “casamento” (Ehe), de “família” (Familie) e de “Eticidade” (Sittlichkeit). Em síntese, o objetivo principal e específico é responder e analisar a seguinte pergunta: – Afinal, para Hegel, na sua Filosofia do Direito, o que é “amor ético” (sittliche Liebe)? Para isso, o texto foi dividido em três partes: primeiro (1º), apresentando breves aspectos históricos sobre o conceito de amor hegeliano na história da filosofia, vendo se e como Hegel é citado; segundo (2º), expondo o contexto de alegada destruição do conceito de amor na época de Hegel e sua reação ao citado problema; e, enfim, terceiro (3º), com a exposição e a análise do conceito de amor ético na sua Filosofia do Direito ou no todo de sua Filosofia do Espírito Objetivo.
Trata-se de uma pesquisa, exposição e análise crítico-filológica, histórica e hermenêutica de toda obra de Hegel, buscando apreender de forma adequada os vários conceitos citados, sem deixar de considerar e ressaltar o seu exame crítico e a inserção do seu pensamento filosófico no âmbito mais abrangente da História da Filosofia, refletindo ainda sobre o seu espaço e papel na discussão atual em torno de questões essenciais, tais como Filosofia Política e Ética.

Deixe uma resposta