Miguel Real – A Guerra Dos Mascates

A Guerra Dos Mascates – Um belo romance histórico, situado em Recife – Olinda, conta-nos a Inconfidência Pernambucana, a guerra entre Mascates e Mazombos, no início do século XVIII.
Miguel Real oferece-nos com A Guerra Dos Mascates a narrativa de um confronto entre pequenos comerciantes e aristocratas que mobilizou a totalidade da população das cidades de Recife e Olinda no século XVIII.
Revoltados contra o poder dos mazombos – senhores todo-poderosos do Pernambuco, proprietários de engenhos de açúcar e herdeiros da elite que expulsou os Holandeses do território -, os mascates insurgem-se contra a exploração de que são vítimas e decidem fazer uma sublevação.
Na linha da frente está Vidal Rabelo, cujo casamento com a nobre Leonor Barbalho foi impedido de consumar e que tudo fará para recuperar a “sua recém, recém, recém senhora”, nem que seja raptando-a, se for preciso.
A seu lado, entre tantos outros, perfilam-se Julinho Telles Fernandes, a corajosa Violante Dias e o grande lutador pela libertação dos escravos Lula Aparecido da Silva.
Amor romântico e ódio coletivo, febre de fé e febre de dinheiro, dignidade social e vingança pessoal, conjugam-se na descrição de personalidades inesquecíveis do cândido ao malévolo para fazer de A Guerra Dos Mascates um romance deliciosamente irônico que confirma Miguel Real como um dos mais portentosos ficcionistas da atualidade.
Como descendente de mascateiro, tenho de clamar o que o sangue pede que clame – só a lenda habitada no coração da gente vive e se multiplica! Por isso, os Senhores Leitores, crentes como eu no futuro da fantasia e da beleza, deixarão para trás, como fura-sacos, os historiadores oficiais, marmanjos da academia da minúcia, e seguirão comigo na trilha da alvorada, abrindo caminho interessado ao renascimento romanceado da Guerra dos Mascates, começando pelo princípio, que é o caminho do fim: quem são os mascates, quem são os mazombos.

 

Camisa Pessoa

Deixe uma resposta