Este catálogo é composto de textos sobre a obra de Perrault, de um texto importante do cineasta, filmografia completa e bibliografia.
Este catálogo é composto de textos sobre a obra de Perrault, de um texto importante do cineasta, filmografia completa e bibliografia.

Michel Marie & Juliana Araújo (Orgs.) – Pierre Perrault: O Real E A Palavra

Na esteira de um amplo Colóquio Internacional sobre Jean Rouch realizado em 2009 pela Associação Balafon, e secundando uma Retrospectiva Integral dos filmes do cineasta canadense Pierre Perrault organizada novamente pela Balafon, este Colóquio Internacional pretende apresentar ao público brasileiro uma discussão ampla sobre sua obra, ainda muito pouco vista e discutida entre nós.

Vasta e variada, esta obra recobre os campos do rádio, da literatura (prosa e poesia) e do cinema, objeto que privilegiaremos em nossas discussões.

No cinema, Perrault é considerado um dos maiores documentaristas da segunda metade do século vinte e um representante fundamental do cinema direto.

O Colóquio discutiu por um lado os aspectos que definem a especificidade do seu trabalho de cineasta (contexto, itinerário, problemáticas, estratégias estilísticas, etc) e, por outro, aquilo que lhe confere sua universalidade, assim como sua pertinência para os debates atuais, no Brasil, sobre o cinema.

Pierre Perrault veio uma só vez ao Brasil, em 1996, para a Mostra Internacional do Filme Etnográfico do Rio de Janeiro, pouco antes de sua morte em 1999.

Ele se encontrou nessa ocasião com Jean Rouch, presente no mesmo evento. As filmografias desses dois cineastas apresentam vários pontos em comum, um, explorador do Sahel, do rio Niger e da África do Oeste, o outro, do rio Saint Laurent, da imensa floresta quebequense com seus milhares de lagos e da tundra ártica.

Eles desestabilizaram, tanto um quanto o outro, as práticas do cinema documentário, disseminando o cinema direto. A organização dessa retrospectiva, justamente após a de Jean Rouch, em 2009 e 2010, também organizada pela Balafon, oferece ainda a possibilidade de multiplicar as confrontações entre os filmes e a problemática do cinema direto.

A obra cinematográfica de Pierre Perrault trata de temas e questões do Quebec, que se podem imaginar muito distantes do Brasil, mas que encontram vários ecos na sociedade brasileira, como por exemplo o desaparecimento progressivo de práticas tradicionais, hoje tão discutido no país, ou o tema do descobrimento e da colonização.

Certamente, haverá muito o que explorar também num trabalho comparativo entre o cinema brasileiro e o cinema de Perrault.

Este catálogo é composto de textos sobre a obra de Perrault, de um texto importante do cineasta, filmografia completa e bibliografia. Ele inclui também os programas do colóquio e da retrospectiva. Assim, ele oferece ao espectador elementos que lhe permitirão prosseguir em suas reflexões após a descoberta dos filmes nas salas.


Deixe uma resposta