Mario Vargas Llosa – A Festa Do Bode

Neste romance magistral, Vargas Llosa mergulha em um dos momentos mais dramáticos da história recente da América Latina.

A Festa Do Bode é um dos romances mais importantes de Mario Vargas Llosa. Com uma pesquisa histórica rigorosa e uma preocupação flaubertiana pelos detalhes, ele recria uma República Dominicana de meados do século XX para recontar a história do general Rafael Leonidas Trujillo Molina – o “Bode” – e a implacável ditadura que implantou no país durante seus 31 anos de governo.

Ao entrelaçar três histórias – a volta de Urania a Santo Domingo, após 35 anos, para visitar o pai doente; o círculo mais próximo a Trujillo, com suas intrigas e execuções; e um grupo de insurgentes que prepara um atentado ao ditador -, Vargas Llosa relata o fim de uma era e discute a natureza insaciável dos regimes totalitários.

Com um ritmo e uma precisão dificilmente superáveis, este peruano universal mostra que a política não raro consiste em abrir caminho entre cadáveres e que a inocência também pode se transformar em truculência.

Jornalista, dramaturgo, ensaísta e crítico literário, Mario Vargas Llosa é um escritor consagrado internacionalmente. Nascido em Arequipa, no Peru, em 1936, ganhou notoriedade literária com a publicação do premiado romance A Cidade e os Cães (1961). Mudou para Paris nos anos 60, e lecionou em diversas universidades americanas e europeias, ao longo dos anos.

Com uma vasta produção literária, que inclui peças teatrais, ensaios e memórias, Vargas Llosa publicou sobretudo romances, entre eles Conversa Na Catedral, Pantaleão E As Visitadoras, Tia Júlia E O Escrevinhador, A Guerra Do Fim Do Mundo, Quem Matou Palomino Molero? e Cartas A Um Jovem Escritor.

Foi vencedor dos prestigiosos prêmios Cervantes, Príncipe de Astúrias, PEN/Nabokov e Grinzane Cavour. Numa incursão ao mundo da política, candidatou-se, em 1990, à presidência do Peru, perdendo a eleição para Alberto Fujimori. O autor vive entre Londres, Paris, Madri e Lima.

Deixe uma resposta