Felipe Moralles E Moraes – A Teoria Crítica De Alexis De Tocqueville

Nessa obra Felipe Moralles E Moraes investiga como a filosofia de Alexis de Tocqueville pode ser incluída dentro da teoria crítica.

Felipe Moralles E Moraes – A Teoria Crítica De Alexis De Tocqueville

Nessa obra investiga-se como a filosofia de Alexis de Tocqueville pode ser incluída dentro da teoria crítica, assim compreendida a tradição filosófica que pretende fazer um diagnóstico de época orientado aos potenciais emancipatórios imanentes à sociedade, assim como aos obstáculos a essa emancipação.

O fio condutor do livro são três interpretações concorrentes sobre a ideia de liberdade que permeia a obra do liberal francês: negativa, republicana e social.

É discutida a compatibilidade dessas concepções de liberdade com as democracias de massa modernas e a relação delas com os demais conceitos fundamentais da análise sociológica de Tocqueville, como aristocracia, dominação, interesse bem compreendido, religião, individualismo, entre outras.

Ao final, mostra-se como esses conceitos podem servir para fazer um diagnóstico da sociedade brasileira atual da perspectiva da ideia de liberdade social, que está na base de uma eticidade democrática, mas que é obstaculizada por dinâmicas sociais de origem aristocrática ou autoritária.

Por que o pensamento político de Tocqueville é relevante? Por que lida com problemas que dizem respeito ao contexto brasileiro contemporâneo?

A justificação não pode ser localizada ao nível de uma mera alternativa ou ideal filosófico, como um autor clássico que, recolhido aleatoriamente da estante, passa subitamente a querer domesticar a realidade. Esqueça!

Precisa estar, sim, ao nível dos elementos transformadores que um pensamento crítico pode identificar na realidade, das possibilidades utópicas que a sociedade brasileira contém, sem apelar às que ainda estão, ou às que já foram, cerradas.

Para tratar da questão da relevância, dedica-se uma parte do último capítulo a justificar mais direta e positivamente, a partir dos conceitos-chave desenvolvidos nos três capítulos, o recurso à obra de Tocqueville, a fim de decifrar as transformações políticas e sociais latentes e com as quais se pode contar em nosso país.

A dissertação pretende responder, como um todo, portanto, ao seguinte questionamento: O liberalismo tocquevilleano é capaz de oferecer um modelo de teoria crítica da democracia brasileira?


Deixe uma resposta