Eduardo F. das Neves Filho & Matheus De Lima Rui – Elementos De Lógica
Este livro não é propriamente uma introdução, pois, sendo uma, deveria dar conta de muitas questões que extrapolam um semestre.
Também não é um livro de história da lógica, filosofia da lógica, lógica aplicada, etc., ou seja, não amplia nenhum (ou mais de um) enfoque (s) em particular.
Por isso, realmente parece adequado chamá-lo de Elementos De Lógica, no sentido de primeiros passos, primeira experiência com a área de investigação.
Entre as disciplinas filosóficas que mais requerem treinamento está a disciplina de Lógica. Boa parte dos conteúdos requer exercícios, os quais você encontrará ao final de cada capítulo. Faça-os e refaça-os, e procure similares em livros que constarão na bibliografia indicada ao final deste volume.
Sendo este livro uma propedêutica, um estudo preliminar ao próprio estudo de lógica formal, é importante que, após indicação, você procure logo preencher as lacunas necessárias à sua formação superior, complementando os estudos com conteúdos que extrapolam, apesar de muito importantes, nossas possibilidades de ensino em um semestre.
No primeiro capítulo, procuramos fazer com que você se familiarize com aspectos importantes dos estudos em lógica, e o fazemos com o mínimo de aparato conceitual e técnico possível.
No segundo capítulo, contamos um pouquinho da história, e apresentamos a estruturação de uma das mais influentes lógicas presentes na História da Filosofia: a Lógica de Aristóteles.
Pensando que você será um (a) professor (a) de Filosofia no ensino médio, este é um capítulo que pode ajudar a ensinar os primeiros passos de lógica aos (às) seus (suas) educandos (as).
O terceiro capítulo é dedicado a apresentar uma noção geral da Lógica Clássica, discutindo aspectos de um de seus ‘‘cálculos’’: o Cálculo Proposicional, visto que uma linguagem lógica mais simples, e poderá ser assimilada pelos estudantes de Filosofia, bem como poderá ser utilizada em sala de aula, futuramente.
A Lógica Clássica é a lógica mais influente na Filosofia contemporânea. Apesar do predicado ‘clássica’, remonta os estudos que G. Frege desenvolveu no começo do século XX, e que foram desenvolvidos durante algumas décadas depois.
Inclusive, você vai notar que, quando se estuda lógica hoje em dia, dividem-se os estudos em Lógica Clássica e lógicas não-clássicas, essas últimas desenvolvendo pesquisas que são complementares ou totalmente diferentes da primeira, mas sempre marcando as diferenças e/ou complementos em relação àquela.
O Cálculo Proposicional será estudado como linguagem, uma linguagem artificial, é verdade, mas também enfocando, além de propriedades sintáticas, algumas propriedades semânticas que permitirão realizar uma série de exercícios.
Por fim, no último capítulo, novamente considerando que você será um professor (a) de Filosofia no ensino médio, trataremos um pouco de lógica informal, a saber, um estudo das falácias não-formais.
Identificaremos algumas características de argumentos informais, aqueles para os quais a análise formal é insuficiente, estudando suas estruturas, proporcionando uma classificação que permitirá desenvolver uma série de exercícios posteriormente.

 

Camisa Coração

Deixe uma resposta